quinta-feira, 20 de junho de 2019

Meu Redentor Vive!

Porque eu sei que o meu Redentor vive, e que por fim se levantará sobre a terra (Jó, 19.25).

Em resposta aos seus "amigos", Jó argumenta as suas queixas e censura os seus acusadores por terem o repreendido e agredido com palavras por dez vezes (Jó.1.1-3). Este capítulo 19 do livro de Jó, relata uma fase muito deprimente da vida de Jó. Jó apresenta suas queixas e reclama das acusações dos seus "amigos" que o considera amaldiçoado por Deus. Jó reclama que seu clamor por justiça não recebeu nenhuma consideração (19.7). Jó lamenta que o SENHOR seja a causa do seu sofrimento e fica angustiado (19.8-12). Jó também lamenta por se sentir banido da sociedade, rejeitado por seus irmãos, parentes e conhecidos (19.13,14). Jó chega a ser rejeitado por seus servos, os rapazes zombam e riem dele nas ruas, os seus amigos mais chegados passam a lhe detestar, e até a sua própria esposa e seus irmãos se sentem enojados por causa do seu mal hálito (19.15-19).
Jó resume as suas aflições da seguinte maneira: Todos os meus amigos íntimos me abominam, e até os que eu amava se tornaram contra mim. Os meus ossos se apegam à minha pele e à minha carne, e salvei-me só com a pele dos meus dentes (19.19,20). Jó clama por misericórdia aos seus amigos e declara que foi ferido pela mão de Deus (19.21). Jó deseja que as suas palavras sejam registradas em um livro e esculpidas a ferro no chumbo ou gravadas para sempre na rocha (19.23,24). Diante de todo seu sofrimento, e sentindo-se perseguido e injustiçado por seus "amigos", Jó acredita que no final, haverá julgamento (19.22,28,29).
Desejando justiça e respirando esperança, Jó ergue a sua voz e clama, dizendo: Eu sei que o meu Redentor vive, e que no fim se levantará sobre a terra! E depois que o meu corpo estiver destruído e sem carne, verei a Deus. Eu o verei com os meus próprios olhos; eu mesmo, e não outro! Como anseia no meu peito o coração! (19.25-27).
Neste contexto, Jó profetizou sobre a vinda do Redentor Jesus Cristo, falou sobre a vida após a morte, falou também sobre um julgamento final. Tudo isto há 4.000 anos antes de Cristo.

O nosso Redentor já veio, morreu e ressuscitou; Ele está vivo para todo sempre. Aleluia!
No fim, Ele voltará e se assentará no grande trono branco para o julgamento final de todos os povos (Apoc.20.11-15). Amém!
  

domingo, 16 de junho de 2019

O QUE SIGNIFICA CINGIR OS LOMBOS?

Estejam cingidos os vossos lombos, e acesas, as vossas candeias (Lucas, 12.35).

Falando sobre vigilância, o Mestre ensina aos seus discípulos através de parábolas, que a prontidão e a vigilância devem ser praticados pelos servos do Senhor. Devemos está vigilantes para que não sejamos surpreendidos e reprovados na vinda do Senhor. A expressão usada por Jesus: Estejam cingidos os vossos lombos, e acesas, as vossas candeias (Lc.12.35); equivale dizer: Estejam de prontidão, em atividade e sempre em vigilância; pois a qualquer momento o Senhor voltará.

A região lombar fica na altura da cintura, região abdominal em volta dos quadris.
A parte do corpo designada pela palavra “lombos” é uma região onde se localiza os órgãos reprodutivos; de modo que se diz que a prole ‘sai dos lombos’. (Gn.35.11; IRs.8.19; Atos, 2.30). O escritor aos hebreus usa este argumento ao mostrar que o sacerdócio de Jesus, à maneira de Melquisedeque, é superior ao de Arão, visto que Levi, antepassado de Arão, ainda estava nos lombos de Abraão, e que neste sentido pagou dízimos a Melquisedeque. (Hb.7.5-10; Gn.14.18-20)

A expressão "lombos cingidos", aparece pela primeira vez no texto sagrado no livro de Êxodo, 12.11; quando Deus instituiu a primeira Páscoa, na saída da nação de Israel do Egito.
Qual o significado da expressão "lombos cingidos, ou cingir os lombos"?
Cingir os lombos significava colocar as extremidades das vestes compridas debaixo da faixa ou prender com uma cinta, para facilitar a atividade física.
Cingir, significa: Cercar, circundar, limitar. Apertar com uma correia, com um cinto, pôr à cinta.
Lombos cingidos é uma expressão que significa, amarra a túnica na cintura para dá segurança ao caminhar apressadamente. Hoje a frase que mais se assemelha a esse significado é "arregaçar as mangas".
Biblicamente quer dizer: Está preparado, em segurança, pronto para o trabalho, pronto guerrear e para percorrer o longo caminho.

7 VEZES APARECE NO A.T. A EXPRESSÃO "CINGIR OS LOMBOS".

1- Assim, pois, o comereis: Os vossos lombos cingidos, os vossos sapatos nos pés, e o vosso cajado na mão; e o comereis apressadamente; esta é a páscoa do SENHOR (Êxodo, 12.11).

2- E a mão do SENHOR estava sobre Elias, o qual cingiu os lombos e veio correndo perante Acabe, até à entrada de Jezreel (I Reis, 18.46).

3- Eliseu disse a Geazi: Cinge os teus lombos, e toma o meu bordão na tua mão, e vai ... (II Rs.4.29).

4- Então, o profeta Eliseu chamou um dos filhos dos profetas e lhe disse: Cinge os teus lombos, e toma esta almotolia de azeite na tua mão, e vai-te a Ramote-Gileade (II Reis, 9.1).

5- Agora cinge os teus lombos como homem; e perguntar-te-ei, e, tu, responde-me (Jó, 38.3).

6- Cinge os lombos de força e fortalece os braços (Provérbios, 31.17).

7- Tu, pois, cinge os teus lombos, e levanta-te, e dize-lhes tudo quanto eu te mandar ... (Jr.1.17).

3 VEZES APARECE NO N.T. A EXPRESSÃO "CINGIR OS LOMBOS".

1- Estejam cingidos os vossos lombos, e acesas, as vossas candeias (Lucas, 12.35).

2- Estai, pois, firmes, tendo cingidos os vossos lombos com a verdade, e vestida a couraça da justiça (Efésios, 6.14).

3- Portanto, cingindo os lombos do vosso entendimento, sede sóbrios e esperai inteiramente na graça que se vos ofereceu na revelação de Jesus Cristo (I Pedro, 1.13).

Cingir os lombos significava colocar as extremidades da veste comprida debaixo da faixa ou prender com uma cinta, para facilitar a atividade física. No Novo Testamento, cingir os lombos, tornou-se uma metáfora para estar apto para prestar um serviço para Deus. Passou também a ser usado como expressão para indicar preparação para vigorosa atividade mental ou espiritual, e, às vezes, transmitia a ideia de fortalecimento. Leia: I Pedro, 1.13. Portanto, cingindo os lombos do vosso entendimento ... Ou seja: Avigorai as vossas mentes. Literalmente: Cingir os lombos de vossa mente, ou do vosso entendimento, significa dizer, para que estejamos protegidos e preparados com a nossa mente exercitada na revelação Jesus Cristo.
Em Efésios 6.14, Paulo instrui aos cristãos que tenham seus “lombos cingidos com a verdade”, isto é, fortalecidos pela verdade da Palavra de Deus como apoio essencial. Assim como o firme cingimento dos lombos físicos protegia contra danos causados por esforço extremo, assim também o cingimento espiritual dos nossos lombos, nos protege contra os possíveis ataques do inimigo.

quinta-feira, 13 de junho de 2019

ANDANDO NAS ALTURAS.

JEOVÁ, o Senhor, é minha força, e fará os meus pés como os das cervas, e me fará andar sobre as minhas alturas (Habacuque, 3.19).

Esta expressão: "Fará ou faz os meus pés como os das cervas, e me fará andar sobre as minhas alturas". Também é citada por Davi no livro de II Samuel, 22.34 e se repete no livro dos Salmos, 18.33. O termo "cerva" usado na expressão do profeta Habacuque e por Davi, faz referência a fêmea do cervo, que é também conhecida como "corsa" a fêmea do corso, conhecido como veado.
A cerva é um animal que andar nas montanhas em busca de água e alimento, quando há escassez no seu habitat natural. A cerva tem um faro aguçado capaz de identificar um lençol de águas há quilômetros de distância.
Quando o profeta diz no seu cântico: JEOVÁ, o Senhor, é minha força, e fará os meus pés como os das cervas ... Isto nos fala de firmeza e agilidade, pois a cerva tem uma grande agilidade e firmeza que a faz capaz de subir as montanhas com muita facilidade. Aqui nós aprendemos, que quando a nossa força vem do SENHOR, nenhum obstáculo vai nos impedir de alcançarmos os nossos objetivo, pois teremos a destreza e a força que vem de Deus para nos conduzir a vitória.
... e me fará andar sobre as minhas alturas. A cerva nas alturas estava em segurança, pois no alto das montanhas os seus predadores não podia alcança-la. Isto significa dizer, que quando estamos andando nas alturas, ficamos a sós com Deus, insolados e protegidos dos perigos. Andando nas alturas, as setas do inimigo não irão nos atingir, estamos seguros e em alto retiro. Está escrito: Torre forte é o nome do SENHOR; para ela correrá o justo e estará em alto retiro (Pv.18.10).

ANDANDO E VIVENDO NAS ALTURAS COM DEUS.

- Estamos assentados nas alturas.
... e nos ressuscitou juntamente com Ele, e nos fez assentar nos lugares celestiais, em Cristo Jesus (Ef.2.6).

- Somos exortados a buscar as coisas que são do alto.
Portanto, se já ressuscitastes com Cristo, buscai as coisas que são de cima, onde Cristo está assentado à destra de Deus (Cl.3.1).

- Somos exortados a pensar nas coisas que são do alto.
Pensai nas coisas que são de cima e não nas que são da terra (Cl.2.2).

- Recebemos o Espírito que veio do alto.
Até que se derrame sobre nós o Espírito lá do alto ... (Is.32.15).
... e, de repente, veio do céu um som, como de um vento veemente e impetuoso, e encheu toda a casa em que estavam assentados. E todos foram cheios do Espírito Santo e começaram a falar em outras línguas, conforme o Espírito Santo lhes concedia que falassem (Atos, 2.2,4).

- Estamos andando nas alturas.
Faz os meus pés como os das cervas e põe-me nas alturas (Salmos, 18.33).

- Temos a promessa de vivermos para sempre nas alturas (no céu com Deus).
Não permitais que o vosso coração se preocupe. Credes em Deus, crede também em mim. Na casa de meu Pai há muitos aposentos; se não fosse assim, Eu o teria dito a vós. Portanto, vou para preparar-vos lugar. E, quando Eu me for e vos tiver preparado um lugar, virei de novo e vos levarei para mim, a fim de que, onde Eu estiver, estejais vós também (Jo.14.1-3).

CONCLUSÃO:
O cristão verdadeiro, que tem convicção da sua fé, ele anda e vive pela fé nas alturas com Deus. O sangue de Jesus Cristo derramado na cruz, se constitui a nossa plataforma espiritual que nos eleva acima de todas as forças malignas e nos garante a vitória. Portanto, não cruze os braços, nem baixe a cabeça diante dos problemas e das adversidades da vida; mas ande de cabeça erguida, com os braços ocupados com o escudo da fé e a espada do Espírito, que é a palavra de Deus, na sua mão, na mente e no coração. Amém!

sábado, 8 de junho de 2019

DAVI, ALCANÇADO PELA GRAÇA DE DEUS.

Tem misericórdia de mim, ó Deus, segundo a tua benignidade; apaga as minhas transgressões, segundo a multidão das tuas misericórdias. Lava-me completamente da minha iniquidade e purifica-me do meu pecado. Esconde a tua face dos meus pecados e apaga todas as minhas iniquidades. Cria em mim, ó Deus, um coração puro e renova em mim um espírito reto. Não me lances fora da tua presença e não retires de mim o teu Espírito Santo. Torna a dar-me a alegria da tua salvação e sustém-me com um espírito voluntário (Salmos, 51.1,2,9-12).

Davi ficou conhecido e adquiriu fama por ser um guerreiro vencedor de grandes batalhas e ter se tornado rei de Israel. Davi também é conhecido como músico e compositor de vários salmos, e por ser um homem de profunda comunhão e devoção a Deus.
Davi tinha suas virtudes e seus defeitos, mas quando ele pecou, cometendo um homicídio e um adultério, mandando matar o soldado Urias, após ter cometido adultério com Bate-Seba, sua mulher (II Sm.11.), ele não tentou justificar nem mascarar o seu pecado, mas ele sentiu o peso do seu delito e disse: Enquanto eu mantinha escondido os meus pecados, o meu corpo definhava de tanto gemer. Pois dia e noite a tua mão pesava sobre mim; minhas forças foram se esgotando como em tempo de seca. Então reconheci diante de ti o meu pecado e não encobrir as minhas culpas. Eu disse: Confessarei as minhas transgressões ao SENHOR, e tu perdoaste a culpa do meu pecado (Salmos, 32.3-5). Davi foi alcançado pela graça de Deus quando confessou o seu pecado. A graça nos é favorável, quando há confissão e arrependimento sincero. Infelizmente, muitos estão abusando da graça de Deus, vivendo na pratica do pecado e justificando-se a si mesmo naquilo que lhe é conveniente. A palavra de Deus nos diz: Todavia, o fundamento de Deus fica firme, tendo este selo: O Senhor conhece os que são seus, e qualquer que confessa o nome de Cristo aparte-se da iniquidade (II Tm.2.19). A graça está disponível e ao alcance de todos, está escrito: Onde o pecado abundou, superabundou a graça (Rm.5.20).

ATITUDES DE DAVI DIANTE DE DEUS:

CONFISSÃO.
Confessei-te o meu pecado e a minha maldade não encobrir; dizia eu: Confessarei ao SENHOR as minhas transgressões; e tu perdoaste a maldade do meu coração (Sl.32.5).
Porque eu conheço as minhas transgressões, e o meu pecado está sempre diante de mim.
Contra ti, contra ti somente pequei, e fiz o que a teus olhos é mal, para que sejas justificado quando falares e puro quando julgares (Sl.51.3,4).

PETIÇÃO.
Tem misericórdia de mim, ó Deus, segundo a tua benignidade; apaga as minhas transgressões, segundo a multidão das tuas misericórdias.
Lava-me completamente da minha iniquidade e purifica-me do meu pecado.
Purifica-me com hissopo, e ficarei puro; lava-me, e ficarei mais alvo do que a neve.
Faze-me ouvir júbilo e alegria, para que gozem os ossos que tu quebrastes.
Esconde a tua face dos meus pecados e apaga todas as minhas iniquidades.
Cria em mim, ó Deus, um coração puro e renova em mim um espírito reto.
Não me lances fora da tua presença e não retires de mim o teu Espírito Santo.
Torna a dar-me a alegria da tua salvação e sustém-me com um espírito voluntário (Sl.51.1,2,7-12).

SERVIÇO.
Então, ensinarei aos transgressores os teus caminhos, e os pecadores a ti se converterão.
Abre, Senhor, os meus lábios, e a minha boca entoará o teu louvor (Sl.51.13,15).

DEVOÇÃO.
Porque te não comprazes em sacrifícios, senão eu os daria; tu não te deleitas em holocaustos.
Os sacrifícios para Deus são o espírito quebrantado; a um coração quebrantado e contrito não desprezarás, ó Deus (Sl.51.16,17).

CONCLUSÃO:
Davi foi alcançado pela graça de Deus e o seu pecado foi perdoado. Deus conhece um coração sincero e uma confissão verdadeira. Davi não mascarou o seu pecado, nem teve atitude hipócrita para tentar justificar o seu pecado. A graça salvadora, que perdoa, regenera e justifica o homem, é gratuita e acessível para todos; porém, ela só terá efeito eficaz quando o pecador reconhece o seu pecado e decide arrepender-se, confessando-o para Deus.
Davi declara: Feliz aquele cuja transgressão é perdoada, e cujo pecado é coberto. Feliz o homem a quem o SENHOR não imputa maldade, e em cujo espírito não há engano (Hipocrisia). Sl.32.1,2.
É melhor ser verdadeiro diante de Deus e ser alcançado pela sua graça, do que viver na hipocrisia, mergulhado no pecado, distante de Deus e da sua graça.

domingo, 2 de junho de 2019

O TABERNÁCULO, UMA SOMBRA DA REALIDADE.

Então, a nuvem cobriu a tenda da congregação, e a glória do SENHOR encheu o tabernáculo, de maneira que Moisés não podia entrar na tenda da congregação, porquanto a nuvem ficava sobre ela, e a glória do SENHOR enchia o tabernáculo. Quando, pois, a nuvem se levantava de sobre o tabernáculo, então, os filhos de Israel caminhavam em todas as suas jornadas. Se a nuvem, porém, não se levantava, não caminhavam até ao dia em que ela se levantava; porquanto a nuvem do SENHOR estava de dia sobre o tabernáculo, e o fogo estava de noite sobre ele, perante os olhos de toda a casa de Israel, em todas as suas jornadas (Êxodo, 40.34-38).

O tabernáculo ou a tenda da congregação, era o lugar onde se manifestava a glória de Deus. Esta tenda sagrada servia de referencial para toda nação de Israel. A nuvem da glória ficava parada sobre o tabernáculo, quando a nuvem andava, Moisés ordenava aos levitas que desarmassem o tabernáculo e junto com todo o povo seguiam a direção da nuvem. Onde a nuvem parasse, o povo acampava e o tabernáculo era montado no meio do acampamento. Esta nuvem acompanhou o povo durante toda a peregrinação no deserto em direção a terra prometida.

AS PEÇAS DO TABERNÁCULO E OS SEUS SIGNIFICADOS SIMBÓLICOS:

O escritor aos hebreus nos diz: Porque um tabernáculo estava preparado, o primeiro, em que havia o candeeiro, e a mesa, e os pães da proposição; ao que se chama o Santuário. Mas, depois do segundo véu estava o tabernáculo que se chama o Santo dos Santos, que tinha o incensário de ouro e a arca do concerto, coberta de ouro toda em redor, em que estava um vaso de ouro, que continha o maná, e a vara de Arão, que tinha florescido, e as tábuas do concerto; e sobre a arca, os querubins da glória, que faziam sombra no propiciatório; das quais coisas não falaremos agora particulamente (Hebreus, 9.2-5).

O ALTAR DO HOLOCAUSTO (Êxodo, 27.1-8).

Simboliza a cruz do calvário, lugar onde Cristo foi crucificado.

A PIA DE BRONZE OU O LAVATÓRIO (Êxodo, 30.17-21).

Representa a purificação e o início da santificação.

A MESA DOS PÃES (Êxodo, 25.23-30).

A mesa de madeira representa a natureza humana de Cristo e os pães simboliza Cristo "o pão da vida".

O CANDELABRO (Êxodo, 25.31-40).

Representa Cristo como "a luz do mundo".

O ALTAR DO INCENSO (Êxodo, 30.1-10).

Representa a intercessão de Cristo na glória.

A ARCA DA ALIANÇA (Êxodo, 25.10-16).

Simboliza a justiça e a presença de Deus.

O PROPICIATÓRIO (Êxodo, 17-22).

Representa a misericórdia de Deus.
Lugar onde era derramado o sangue do sacrifício e Deus aceitava como cheiro suave e se fazia propício em perdoar toda nação de Israel.

* Todas estas peças eram uma alegoria e representavam uma realidade futura daquele que haveria de vir, Jesus Cristo.

TABERNÁCULO - Sombra, alegoria, figura.
JESUS CRISTO - Realidade. Sacerdote eterno.

MATERIAIS USADOS NA CONFECÇÃO DAS PEÇAS DO TABERNÁCULO:

LINHO.
Representa a pureza de Cristo.

MADEIRA.
Representa a natureza humana de Cristo.

OURO.
Representa a Realeza e a Divindade de Cristo

PRATA.
Representa redenção do homem efetuada por Cristo na cruz.

BRONZE.
Representa a natureza pecaminosa e caída da humanidade.

CONCLUSÃO:
Diante do tudo isso, nós aprendemos e passamos a entender o quanto Deus nos ama. Deus sempre se importou e se preocupou com a humanidade. A maior prova do amor de Deus foi enviar o seu Filho unigênito, Jesus Cristo, para salvar e redimir a humanidade de todos os seus pecados. A gora estamos vivendo a realidade de tudo que era apenas sombra, Jesus Cristo veio como cordeiro de Deus e morreu para nos perdoar; o pecado foi removido e o véu do templo foi rasgado de alto a baixo, abrindo assim o caminho da nossa adoração e comunhão direta com Deus Pai. Glória a Deus!

sexta-feira, 31 de maio de 2019

JESUS CRISTO, O PÃO DA VIDA.

E Jesus lhes disse: Eu sou o pão da vida; aquele que vem a mim não terá fome; e quem crê em mim nunca terá sede (João, 6.35).

O pão é o alimento mais antigo do mundo, segundo fontes de informações o pão foi produzido pela primeira vez na Mesopotâmia, há 6.000 anos.
O processo de fermentação foi uma técnica desenvolvida pelos egípcios por volta de 4000 a.C., dando ao pão o aspecto pelo qual o conhecemos hoje. Por ser um produto extremamente necessário à alimentação, ele foi usado durante muitos séculos também como moeda. Há registros de que os faraós o utilizavam como meio de pagamento para serviços realizados. Ao longo dos séculos foram aperfeiçoados os métodos de fabricação do pão, hoje nós temos variedades de pães em formatos e sabores diferenciados. O termo "pão" aparece pela primeira vez na bíblia em Gênesis, 3.19. Porém, o pão aparece pela primeira vez quando Melquisedeque, rei de Salém, que era sacerdote, veio ao encontro de Abraão trazendo pão e vinho (Gn.14.18).

JESUS REPRESENTA TRÊS TIPOS DE PÃES PARA IGREJA:

Na bíblia, o pão asmo (sem fermento), representa Cristo; isto nos fala da sua pureza e santidade (Ex.12.15; I Co.5,7,8). 

ELE É O PÃO QUE SATISFAZ A NOSSA FOME (Jo.6.35).

ELE É O PÃO QUE NOS GARANTE A VIDA ETERNA (Jo.6.51).

ELE É O PÃO DA NOSSA REDENÇÃO (Mt.26.26).

QUAL O SIGNIFICADO ESPIRITUAL DO PÃO NA NOSSA VIDA?

Jesus falou do pão se referindo a sua pessoa em uma linguagem simbólica, dando a entender que Ele é o alimento necessário que mata a nossa fome e nos dá sustento espiritual. Assim como o nosso pão cotidiano é necessário para manter o nosso corpo alimentado e saudável; da mesma forma, Cristo deve ser o nosso pão diário para manter a nossa vida espiritual saudável e bem alimentada. Cristo como o pão da vida, é o alimento essencial para saciar a fome do homem. A insatisfação humana, a sua fome e sede espiritual, só serão saciados com o Pão da vida, que é Jesus. O pão é o alimento necessário para o sustento do nosso corpo. Cristo é o pão que nos alimenta e sacia a nossa insatisfação espiritual. A humanidade anda insatisfeita a procura de satisfazer a sua fome e sede espiritual, muitos recorrem a fontes falsas, que procuram saciar, mas não resolvem. Cristo é a única fonte real capaz de satisfazer e saciar a fome espiritual do homem. Não viva insatisfeito, experimente JESUS, o Pão vivo que desceu do céu para lhe dar vida. Somente em JESUS você poderá viver satisfeito (a) e encontrar o seu prazer Nele. Amém!

domingo, 26 de maio de 2019

O TRÁGICO FIM DE JEZABEL.

Em seguida Jeú partiu para Jezreel. Assim que Jezabel tomou conhecimento disso, pintou os olhos, fez um penteado e ficou observando de uma janela do palácio. Quando Jeú passava pelo portão, ela gritou: “Está em paz, Zinri, assassino do seu próprio senhor?” Ele ergueu os olhos em direção à janela e bradou: “Quem dentre vós está do meu lado? Há alguém?” Dois ou três eunucos se inclinaram para ele. Então ordenou ele: “Lançai-a abaixo!” E eles, imediatamente, a atiraram para baixo; seu sangue salpicou a parede e os cavalos, que a pisotearam. A seguir, entrou Jeú e, depois de ter comido e bebido, ordenou: “Ide ver aquela maldita e dai-lhe sepultura, pois é filha de rei”. Quando chegaram para sepultá-la, só encontraram o crânio, os pés e as mãos. Voltaram para contar isso a Jeú, que declarou: “Esta é a palavra que o SENHOR falou por meio do seu servo Elias, o tesbita: ‘No campo de Jezreel, os cães devorarão a carne de Jezabel; e os seus restos mortais serão espalhados em um terreno em Jezreel, como esterco no campo, de modo que ninguém será capaz de identificar: Esta é Jezabel (II Reis, 9.30-37).

Jezabel, foi uma princesa fenícia casada com Acabe, rei de Israel. O significado do nome Jezabel é "Baal exalta" ou "Baal é marido de" ou "impuro".
Jezabel era filha do rei dos Sidónios Etbaal (1 Reis 16:31 diz que ela era "Sidoniana", que é um termo bíblico para os fenícios em geral)[ tendo o seu casamento com Acabe sido o resultado de uma aliança que tinha como objetivo fortalecer as relações políticas entre Israel e a Fenícia. Teve com o rei Acabe, três filhos e portava-se como uma verdadeira mãe e dona de casa. 
Como esposa do rei de Israel, ela tornou-se dominadora do reino, ao que Acabe se mostrou frouxo e impotente, deixando-se dominar pela mulher de forte personalidade feminina.
Jezabel era sacerdotisa dominadora e potencialmente religiosa e se denominava porta-voz de deus. Isso a categorizava como profetisa (Ap.2.20).
Ao contrair matrimônio com o Rei de Israel, ela passou a ditar as ordens de acordo com o que acreditava ser a verdade. Como mística, ela passou a ser considerada sacerdotisa e profetisa de Baal.
Sua influência religiosa cresceu a níveis incontroláveis, superando os próprios rabinos e sacerdotes, submetendo-os a suas ordens. Israel passou a ser um reino teocrático e Jezabel cresceu politicamente e ordenava sobre o clero sacerdotal, obrigando os próprios sacerdotes israelitas a cultuar a Baal.
Suprimindo os rituais mosaicos, Jezabel passou a cultuar Baal de forma ostensiva e dominadora, sacrificando crianças em nome da santidade e inocência. Sua atuação mística superava as expectativas dos Israelitas que aceitavam tudo de forma normal.
Jezabel continuou a adorar os deuses fenícios, mas não se limitou a isso, pois combateu o Deus de Israel e perseguiu todos os seus seguidores. Os sacerdotes e profetas israelitas foram eliminados ou então tiveram que se exilar no deserto devido à perseguição promovida pela rainha.
Recorreu ao dinheiro do tesouro público, para sustentar os 450 profetas do deus Baal e os 400 profetas da deusa Azera (deusa fenícia da fertilidade). Mandou construir um templo dedicado a Baal, o seu próprio marido consentiu e sentiu-se atraído pelo culto destes deuses, renegando a fé no SENHOR.
Um profeta até então desconhecido pelo seu nome verdadeiro surgiu confrontando-se com os ensinamentos de Jezabel. Sua mensagem era o que passou a ser o seu próprio nome: "Elias", que quer dizer: Javé é Deus! A mensagem do profeta desconhecido passou a contrastar religiosamente e provocou terror entre os rabinos e sacerdotes que passaram a exigir dele uma prova contundente em forma de "sinal" de comprovação de sua autenticidade. Era necessário que Elias provasse o seu chamado por Deus, bem como a verdade sobre a sua mensagem.
A resistência local contra esta política religiosa foi encabeçada pelo profeta Elias. Numa espécie de desafio religioso levado ao Monte Carmelo, Elias derrotou todos os profetas de Baal e de Azera, que morreram, pretendendo desta forma provar para toda a nação de Israel que só o SENHOR é Deus. Jezabel foi desmascarada e desacreditada publicamente. Quando Jezabel soube disto ficou furiosa, pretendendo mandar matar Elias, que teve fugir para o reino de Judá.
A "poderosa" Jezabel foi derrotada, o culto a Baal foi abolido e o rei Acabe foi morto na guerra contra os siros. Mas, mesmo assim, ela não se arrependeu e continuou com as suas idolatrias e sua arrogância de mulher dominadora.
Com Deus não se brinca, de Deus não se zomba. O seu fim foi trágico.
Um comandante chamado Jeú liderou uma revolta contra a família real, na qual matou o filho de Jezabel, Jorão. Quando Jezabel soube da revolta pintou os olhos e adornou a cabeça, desafiando Jeú da janela do palácio. Este ordenou aos eunucos da rainha que a atirassem da janela. Jezabel morreu, tendo o seu sangue atingido as paredes e os cavalos. Uns cães que por ali passavam devoraram o corpo da rainha, exatamente como Elias profetizou. Depois de ter feito uma refeição no palácio, Jeú ordenou que Jezabel fosse sepultada, dado que se tratava da filha de um rei. De acordo com o Segundo Livro de Reis, os servos do palácio apenas encontraram o crânio e os ossos dos pés e as mãos da rainha.
Por causa desta perversa rainha, o nome "Jezabel" encontra-se associado na cultura popular a uma mulher sedutora e sem escrúpulos.

OS RESTOS MORTAIS DE JEZABEL:

Quando chegaram para sepultá-la, só encontraram o crânio, os pés e as mãos. Voltaram para contar isso a Jeú, que declarou: Esta é a palavra que o SENHOR falou por meio do seu servo Elias, o tisbita: No campo de Jezreel, os cães devorarão a carne de Jezabel; e os restos mortais serão espalhados em um terreno em Jezreel, como esterco no campo, de modo que ninguém será capaz de identificar: Está é Jezabel (II Reis, 9.35-37).

O CRÂNIO.
O crânio tem haver com a cabeça, onde funciona o cérebro que origina os pensamentos que se transformam em ações. Os pensamentos e ações de Jezabel não eram bons, mas maliciosos e cheios de maldades. Foi através da sua mente maldosa e dominadora, que Jezabel instituiu a idolatria e o culto a Baal na nação de Israel.

OS PÉS.
Os pés nos serve de condução, tanto para bem como para o mal. Os pés de Jezabel estava a serviço da maldade, com os seus pés ela correu para oprimir, perseguir e mandar matar a todos os que se opunham contra a sua doutrina.

AS MÃOS.
As mãos podem serem usadas para bênçãos como para maldições. As mãos de Jezabel foram usadas como instrumento de maldição. As suas mãos eram manchadas de sangue, pelas mortes de homens piedosos que ela mandou executar.

CONCLUSÃO:
Este é o fim dos que desprezam ao SENHOR e seguem o caminho da maldade, tornando-se agente do Diabo para promover o pecado. Os cães devoraram a carne de Jezabel, mas deixaram o crânio, os pés e as mãos. Isto nos leva a uma reflexão, de que devemos usar o nosso crânio (inteligência), os nossos pés, e as nossas mãos para o bem, para glória de Deus e crescimento do seu Reino. Amém!