sexta-feira, 18 de maio de 2018

O MINISTÉRIO IDÓLATRA DE MICA.


Havia um homem chamado Mica, que habitava na região montanhosa de Efraim. Em um certo dia ele confessou à sua mãe: “Aqueles teus treze quilos de prata, a propósito dos quais ouvi como pronunciaste uma maldição contra o ladrão, estão aqui comigo, eu os furtei! ” Sua mãe então exclamou: “Seja o meu filho bendito do SENHOR". E assim que ele devolveu os treze quilos de prata a sua mãe, ela prometeu: “Ofereço solenemente minha prata ao SENHOR para que meu filho faça uma imagem esculpida e um ídolo de metal. Por isso eu te devolvo a prata! ” Ele, porém, não quis ficar com a prata e devolveu tudo a sua mãe, e ela separou duzentas moedas, ou seja, dois quilos e quatrocentos gramas de prata, e os deu a um ourives, que das peças de prata confeccionou a imagem e o ídolo. E estes foram colocados na casa de Mica. Ora, esse homem, Mica, tinha um santuário, uma casa de deuses, e fez um colete sacerdotal e alguns ídolos da família; e consagrou um dos seus filhos como sacerdote. Naquela época, não havia rei em Israel; cada pessoa fazia o que lhe parecia certo (Juízes.17.1-6).

A nação de Israel estava passando por um período de crise espiritual, a anarquia era geral. Diz o texto sagrado, que naquela época, não havia rei em Israel; cada pessoa fazia o que lhe parecia certo. O livro de juízes registra a história de um homem chamado Mica, que habitava na região montanhosa da Efraim. Mica era um homem religioso, que pretendia restabelecer a religião em Israel. A princípio ele demonstrou ter um mal caráter, pois, furtou o dinheiro da sua própria mãe. Com medo da maldição que sua mãe havia lançado contra o ladrão, ele resolveu confessar o seu pecado e restituiu a sua mãe as moedas de prata. Então sua mãe pronunciou uma palavra de bênção sobre Mica dizendo: “Seja o meu filho bendito do SENHOR". Em seguida ela oferece a sua prata ao SENHOR, e sugeriu a seu filho que fizesse uma imagem esculpida, um ídolo de metal. A mãe de Mica separou parte das moedas de prata e mandou um ourives confeccionar uma imagem de escultura que serviria de ídolo. Mica separou um espaço na sua casa e colocou a imagem que sua mãe tinha mandado fazer, e juntou com outros terafins (ídolos da família), fez um éfode (colete ou manto sacerdotal) e consagrou o seu filho como sacerdote. 

MICA CONTRATA UM LEVITA PARA SER SACERDOTE.

Um jovem levita, de Belém de Judá, procedente da tribo de Judá, deixou aquela cidade à procura de outro lugar para viver. No decorrer de sua viagem, parou na casa de Mica, na região montanhosa de Efraim. Então Mica lhe indagou: “Donde vens? ” Ao que ele respondeu: Sou levita, de Belém de Judá, e estou viajando em busca de um bom lugar para habitar! E Mica o convidou: “Fica comigo! Sê para mim pai e sacerdote e te recompensarei com dez ciclos de prata, isto é, cento e vinte gramas de prata por ano, mais roupas e alimentação. ” O jovem levita concordou em estabelecer-se com Mica, e tornou-se como um de seus filhos. Mica consagrou o levita, e o jovem passou a ser seu sacerdote, e ficou morando em sua casa. Então Mica declarou: “Agora estou certo de que o SENHOR me tratará com bondade, pois esse levita se tornou meu sacerdote! ” (Juízes, 17.7-13). 

Um jovem levita itinerante, descompromissado com obra de Deus, sai da sua terra em busca de uma vida melhor e encontra-se com Mica, que havia fundado um ministério. Mica lhe faz uma pergunta, e percebendo a sua fraqueza, lhe oferece um cargo de sacerdote com direito a remuneração, roupas e alimentação. O jovem levita, não pensou duas vezes, aceitou a proposta de imediato; e Mica consagrou o levita a ser seu sacerdote, e ele ficou morando em sua casa. Então Mica declarou: “Agora estou certo de que o SENHOR me tratará com bondade, pois esse levita se tornou meu sacerdote! ”. Mica pensava que estava agradando a Deus, estava se sentindo realizado, tendo agora um levita servindo no seu santuário como sacerdote. Ele pensava que tendo um levita como seu sacerdote, tinha credibilidade e que Deus estava com ele. A exemplo de Mica, muitos querem "aprisionar" Deus às suas vontades e tê-lo como amuleto da sorte. Porém Deus não compactua nem abençoa projetos que Ele não começou. O pensamento de Mica estava errado. Nem tudo que tem aparência de santo é santo. Na falsa congregação com aparência de piedade, havia boas intenções por trás de desobediência. Mica precisava se converter a Deus e largar sua idolatria, para depois entender a boa, agradável e perfeita vontade de Deus na sua vida. 

O FIM DO MINISTÉRIO DE MICA.

Nesse tempo não havia rei em Israel. E a tribo de Dã estava em busca de uma terra onde se estabelecer, porquanto ainda não havia recebido sua herança entre as tribos de Israel. Os filhos de Dã enviaram cinco homens de seu clã, valentes, de Zorá a Estaol, com a missão de conhecer a terra e explorá-la. E assim lhes foi ordenado: “Ide explorar a terra! ” Os cinco homens chegaram à montanha de Efraim, até onde estava a casa de Mica, e ali foram hospedados e passaram a noite. Quando estavam se aproximando da casa de Mica, reconheceram a voz do jovem levita e, aproximando-se, lhe questionaram: “Quem te trouxe para estas terras? Que fazes aqui? E o que é que tens aqui? ” O jovem levita lhes esclareceu: “Mica tem me ajudado muito; ele me empregou aqui, e eu lhe sirvo como seu sacerdote! ” Então lhe pediram: “Neste caso, consulta a Deus para sabermos se o caminho que levamos nos conduzirá a bons resultados. ” E o jovem lhes assegurou: “Ide em paz! O vosso caminho está sob os cuidados do SENHOR! ”

Aqueles cinco homens que haviam ido espiar a terra ao redor de Laís disseram aos companheiros: “Sabeis que há aqui, numa destas casas, um efod, manto sacerdotal, e terafim, ídolos da família, uma imagem esculpida e um ídolo de metal fundido? Agora, portanto, pensai no que deveis fazer! ” Dando uma volta por ali, chegaram à casa do jovem levita, à casa de Mica, e o saudaram. Enquanto os seiscentos homens dos danitas, armados para a guerra permaneciam à soleira da porta, os cinco homens que tinham estado antes ali para o reconhecimento do território vieram e entraram na casa, apanharam a imagem de escultura, o efod, os terafim e o ídolo de metal fundido, estando o sacerdote em pé, à entrada da porta, com os seiscentos homens armados para a guerra. Eles, pois, tendo entrado na casa de Mica, pegaram a imagem de escultura, o efod, os terafim e o ídolo de metal fundido. Mas o sacerdote lhes advertiu: “Que estais fazendo? ” Ao que lhe replicaram: “Silêncio! Põe a mão na tua boca e segue-nos. Serás para nós um pai e sacerdote. Pensai no que é melhor para ti, seres um sacerdote da família de apenas um homem ou servir como sacerdote de toda uma tribo e de uma geração em Israel? Então, o jovem sacerdote se alegrou, apanhou o manto sacerdotal, os ídolos da família e a imagem esculpida e se juntou à tropa (Juízes, 18.1-6, 14-20).

Mica perdeu tempo e todo seu investimento em um ministério falido e fora da vontade de Deus. Vários fatores contribuíram para o ministério de Mica não dá certo. Primeiro, Mica entrou pelo caminho da idolatria e pretendia fazer seu culto de forma isolada. Cometeu um grande erro em colocar um levita para ser sacerdote. Pela lei um levita nunca seria sacerdote, a função do levita é totalmente diferente do ofício sacerdotal. 

O ministério de Mica acaba quando o jovem levita se vende em troca de vantagens. 
A tribo de Dã estava em busca de conquistar uma terra e também fazendo o que pensavam ser certo perguntam ao levita se sua empreitada seria bem-sucedida. Como todo líder que vende seu ministério, o levita responde afirmativamente. O texto não diz que ele consultou a Deus, apenas fala em nome de Deus. De fato, apenas porque o levita acerta o resultado da guerra, isso não significa que Deus era com ele, mas que conseguiu acertar os 50% de chance que tinha. Um levita em meio à idolatria de maneira nenhuma pode ser considerado como um líder da parte de Deus.
Aqueles homens iludidos pelo “poder” do levita de “prever o futuro” e lhes dar a “benção de Deus”, começam a tramar para roubar os ídolos de Mica, seu manto sacerdotal e também seu sacerdote.

Quando eles disseram: Não é melhor você ser sacerdote de uma tribo, do que de uma família? O jovem sacerdote se alegrou, e aceitou a proposta, apanhou o manto sacerdotal, os ídolos da família e a imagem esculpida e se juntou à tropa. Qual deveria ser o papel de um sacerdote? De interceder pelo seu povo. Porém vemos aqui novamente um líder que vende seu ministério e troca sua congregação para ter mais fama, sucesso e dinheiro. O levita abandona aquele que o tratou bem, e o rouba. Qualquer líder que não teme a Deus irá destruir sua congregação pois sua inclinação é para satisfazer a si mesmo e não a obra. 

Devemos ter cuidado com os Micas da atualidade, que são pretensiosos em fundar ministérios sem a direção de Deus e se auto intitulam de pastor presidente. Eles são vaidosos, insubmissos e gananciosos pelo poder. Não generalizando, há ministérios que começaram pela direção e aprovação de Deus, e estão prosperando. Mas há casos de ministérios apostatas sem aprovação de Deus que faliram e outros que se mantem, mas são cheios de distorções teológicas. 
Igualmente ao jovem levita que se vendeu para ser sacerdote e foi em busca de vantagens, hoje estamos vendo muitos líderes, pastores e pregadores se vendendo e negociando seu ministério. Mas quem tem compromisso com Deus, com a palavra e com a obra, não abre mão do seu chamado e nem negocia seu ministério. 
Na atualidade, há muitos Micas enganadores, apesar da vasta literatura teológica e da informação imediata, tem muita gente disposta a ser enganada.  

Que possamos refletir sobre a história de Mica, para não cometermos os mesmos erros que ele. Hoje estamos vendo muitos ventos de doutrinas, trazendo modismos, inovações e heresias camufladas de verdade. Os Micas estão por ai, distorcendo a palavra e oferecendo vantagens, fuja deles e firme a sua fé em Jesus Cristo e na palavra de Deus.