terça-feira, 24 de abril de 2018

VENTOS DE DOUTRINAS.


.... Para que não sejamos mais meninos inconstantes, levados em roda por todo vento de doutrina, pelo engano dos homens que, com astúcia, enganam fraudulosamente. Antes, seguindo a verdade em amor, cresçamos em tudo naquele que é a cabeça, Cristo (Efésios, 4.14,15).

Paulo instrui os irmãos da igreja em Éfeso para que sejam maduros na fé e cresçam no conhecimento da verdade. Caso contrário, eles seriam como meninos inconstantes (sem segurança), levados por todo vento de doutrina. Na tradução King James atualizada, diz: O objetivo é que não sejamos mais como crianças, levados de um lado para o outro pelas ondas teológicas, nem jogados para cá e para lá por todo vento de doutrina e pela malícia de certas pessoas que induzem os incautos ao erro (Ef,4.14). São chamada de vento de doutrina, porque são modismo doutrinário que vem e vão. São heresias camufladas de "verdade" que se apresentam aos cristãos como se fossem remédio, quando na verdade, são veneno. A verdade é que estamos vivendo uma época de muitos modismos e inovações, e muitas ondas teológicas que não tem nenhum respaldo bíblico. Apesar de vivermos em uma época de informação imediata, muitos cristãos ainda são enganados por falta de conhecimento da palavra de Deus e maturidade espiritual. São meninos na fé.

O fato é que a falta de maturidade cristã, tem levado muitos cristãos a viver uma fé infantilizada. É triste o fato de que muitos cristãos têm suas vidas direcionadas por modismo e inovações que fogem dos princípios bíblicos. A pregação e o ensino bíblico, tornou-se insuficiente para muitos. Não são poucos os que vivem correndo em busca de "profetas" (adivinhos), que com sua percepção aguçada falam exatamente o que eles querem ouvir. Vivendo assim em um círculo vicioso e permanecendo como meninos inconstantes levados por todo vento de doutrina. Quando a verdadeira fé vem pelo ouvir, conhecer e praticar a palavra de Deus (Romanos, 10.17). As falsas doutrinas se apresentam com aparência de coisas boas, mas na realidade é bem diferente do que aparentam. 

Portanto, fuja das manobras religiosas, cheias de animações e facilidades, prometendo bênçãos e prosperidade, quando na realidade é uma falácia, um engano, uma falsa doutrina. Que possamos seguir as orientações do apóstolo Paulo, e do escritor aos hebreus, que diz: Não vos deixeis levar em redor por doutrinas várias e estranhas, porque bom é que o coração se fortifique com graça e não com manjares, que de nada aproveitaram aos que a eles se entregaram (Hebreus, 13.9). Amém!

sábado, 21 de abril de 2018

A SÍNDROME DOS DESIGREJADOS.

Não deixemos de congregar, como é costume de alguns; antes, admoestamo-nos uns aos outros, tanto mais quanto vedes que vai se aproximando aquele dia (Hebreus 10.25).
Porque vale mais um dia nos teus átrios do que, em outra parte, mil. Preferiria estar à porta da Casa do meu Deus, do que habitar nas tendas da impiedade (Salmos 84.10).

Esta síndrome é um fenômeno que vem acontecendo há décadas, e infelizmente ainda hoje prevalece.
É possível que no primeiro século da era cristã, já havia pessoas que tinham esse costume de não congregar. 
A igreja foi instituída por Deus, e é propriedade exclusiva de Jesus. A igreja funciona como uma agencia de Deus na terra, para propagação do evangelho. Quando nós, os cristãos congregamos, nos reunimos para adorar, aprender e fortalecer a nossa fé. Congregar também implica em ter comunhão, e esta comunhão está relacionada a Deus e aos irmãos. Um cristão não deve viver alienado, sem congregar, sem fazer parte diretamente de uma comunidade cristã.
O problema de relacionamento e um dos motivos que muitos "cristãos" deixam de congregar. 
Muitas pessoas tem um pensamento anti-social, não congregam, não ofertam e preferem viver sem pastor. Querem viver isolados e afirmam ser igreja. Em nenhum momento a bíblia diz que eu sou igreja. A bíblia diz que nós somos igreja, nós fazemos parte da igreja. Paulo trata a igreja como um corpo e um dedo não se considera corpo nem vive sem a comunhão dos outros membros. Leia, I Coríntios, 12.12-31. 
Portanto, não deixe de congregar. Não deixe essa síndrome ou qualquer outra forma de comportamento anti bíblico afastar você da congregação dos Santos. Ponha as indiferenças de lado e seja cheio do Espírito Santo de Deus. Amém! 

segunda-feira, 16 de abril de 2018

NÃO OFERECEREI AO SENHOR SACRIFÍCIO QUE NÃO ME CUSTE NADA.

E Gade veio naquele mesmo dia, a Davi e disse: Sobe, levanta ao SENHOR um altar na eira de Araúna, o jebuseu. Davi subiu conforme a palavra de Gade, como o SENHOR lhe tinha ordenado. E olhou Araúna e viu que vinha para ele o rei e os seus servos; saiu, pois, Araúna, e inclinou-se diante do rei com o rosto em terra. E disse Araúna: Por que vem o rei meu senhor, ao seu servo? E disse Davi: Para comprar de ti esta eira, a fim de edificar nela um altar ao SENHOR, para que este castigo cesse de sobre o povo. Então, disse Araúna a Davi: Tome e ofereça o rei, meu senhor, o que bem parecer aos seus olhos, eis ai bois para o holocausto, e os trilhos, e o aparelho dos bois para lenha. Tudo isso deu Araúna ao rei; disse mais Araúna ao rei: O SENHOR, teu Deus, tome prazer em ti. Porém o rei disse a Araúna: Não, porém por certo preço to comprarei, porque não oferecerei ao SENHOR meu Deus, holocausto que me não custem nada. Assim, Davi comprou a eira e os bois por cinquenta siclos de prata (II Samuel, 24.18-24).

Sem pedir a direção de Deus, Davi decidiu fazer um censo e mandou contar todos os habitantes do reino de Israel. Ao que parece, Davi não confiou em Deus para multiplicar seu povo, mas quis saber o número exato de homens a fim de se orgulhar de seu poder. Em outras palavras, Davi passou a confiar mais em seu exército do que na proteção de Deus.
A questão da motivação é o ponto mais importante do relato, porque levantar o censo não era propriamente um pecado em si. Na verdade, o livro de números relata que Deus instruiu Moisés a fazer um censo (Nm.1.2,3; 26.2).

Davi reconheceu seu pecado e implorou o perdão de Deus (II Samuel, 24.10). Deus respondeu enviando o profeta Gade para comunicar a punição. Desse modo, Deus ofereceu a Davi três opções de escolha: Sete anos de fome, três meses de ataques inimigos, ou três dias de pestes na nação (II Sm.12,13). Davi analisou é optou pela terceira. Então Deus enviou uma praga que matou setenta mil pessoas (II Sm.24.15,16). Para aplacar a ira de Deus era necessário oferecer um sacrifício para fazer cessar a praga. De modo que, o profeta Gade, trouxe uma mensagem a Davi instruindo o rei a construir um altar na eira de Araúna, o jebuseu (II Sm.24.18).
Davi obedeceu e foi a Araúna, e ele o recebeu de bom grado. Araúna estava disposto a entregar sua eira a Davi como presente, porém Davi se recusou em receber e insistiu em comprá-la. Neste momento Davi foi motivado a pronunciar uma das mais belas frases do texto sagrado: Não oferecerei ao SENHOR meu Deus, holocausto que não me custe nada. Depois que Davi ofereceu o sacrifício, a ira do SENHOR cessou (II Sm.24.25).

Davi pecou como qualquer homem, e teve as suas falhas, mas ele tinha uma devoção sincera a Deus, e um respeito muito grande as coisas sagradas. Isso fazia a diferença.
Davi se preocupava em oferecer o melhor para Deus.
Esta atitude de Davi, serve de exemplo para todos os servos do SENHOR, pois tal como fez Davi, devemos oferecer o melhor do nosso sacrifício para Deus. A parti do nosso corpo, devemos oferecer a Deus o melhor de tudo que temos e somos. Paulo entendendo este princípio de vida, diz aos irmãos de Roma: Rogo-vos, pois, irmãos, pela compaixão de Deus, que apresenteis o vosso corpo em sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional (Romanos, 12.1).
O problema é que muitos cristãos querem o melhor de Deus, mas não querem dá o melhor para Deus.
Davi era rei, mas não deixou o rei (ego) dominar seu coração. Ele continuou sendo crente devoto ao SENHOR. Muitos hoje, começam com humildade, trilhando o caminho da oração, mas depois de serem abençoados, sendo prósperos em seus estudos, formaturas e posição social, tornam-se crentes frios e alheios a obra de Deus. Não tem prazer em ofertar, quando ofertam o fazem como uma obrigação, e não com prazer e devoção. Muitos oferecem o resto para Deus. O resto da sua vida. O resto dos seus talentos. O resto das sua finanças. O resto do seu tempo para prestar culto a Deus. Enfim, buscar em primeiro lugar o Reino de Deus, como Jesus ensinou, não é prioridade na vida de muitos cristãos. A bem da verdade, muitos estão se tornando crentes materialistas e se preocupam mais em buscar e pensar nas coisas da terra do que nas do céu. Que possamos repetir e praticar junto com Davi, em dizer: Não oferecerei ao SENHOR meu Deus, holocausto que não me custe nada. Amém!

domingo, 15 de abril de 2018

O REINO, O PODER E A GLÓRIA.

... Porque teu é o Reino, e o Poder, e a Glória, para sempre. Amém! (Mateus, 6.13).

Jesus ensinando os seus discípulos a orar, ele termina a oração declarando três coisas que pertencem única e exclusivamente a Deus: O Reino, o Poder e a Glória. Nesta declaração, Jesus deixou claro que o total domínio, autoridade e soberania pertencem unicamente a Deus. Ninguém pode reinar acima de Deus, pois Ele é o SENHOR. ninguém tem poder igual a Deus, pois Ele é a fonte do poder. Os homens tem força, só Deus é poder. Ninguém poderá ter, nem tomar a glória de Deus para si, pois a sua soberania é única. Ele declarou: Eu sou o SENHOR; este é o meu nome; a minha glória, pois, a outrem não darei, nem o meu louvor, às imagens de esculturas (Isaías, 42.8). Todos que intentaram tomar a glória de Deus para si, foram abatidos.

O REINO.

Reino, fala de domínio, quem reina está no controle, e domina sobre todos, e quem tem total domínio sobre tudo é DEUS. Ele é o Soberano dos reis da terra. Ele está entronizado e reina acima de todos os reinos dos homens. Ele é o Senhor e Dominador de todas as nações. Ele está no controle de tudo. Ele está no começo, no meio e no fim da história. A sua palavra nos diz: O SENHOR reina; tremam as nações. Ele está entronizado entre os querubins; comova-se a terra (Salmos, 99.1).

O PODER.

Poder é o que todos querem e lutam para obter. Na verdade, o mundo gira em torno do poder. O homem na sua vaidade, ele quer ter poder, ele busca destaque, ele quer ser o centro das atenções e gosta de ser ovacionado e aplaudido por todos. Porém, está escrito que o poder pertence a Deus. Uma coisa disse Deus, duas vezes a ouvi; que o poder pertence a Deus (Salmos, 62.11). Ele é a fonte, Ele é o próprio Poder. Há uma frase que diz: "No mundo tudo é força, só Deus é poder".

A GLÓRIA.

Glória fala de supremacia, de grandeza e soberania. Neste sentido, a glória pertence exclusivamente a Deus. Os homens podem até ter glória, mas a glória dos homens é efêmera, limitada e terrena. Porém, a glória de Deus, é permanente, ilimitada e eterna.
Ninguém pode tomar a glória de Deus para si. A sua glória Ele não dá a ninguém.
Eu sou o SENHOR; este é o meu nome; a minha glória, pois, a outrem não darei, nem o meu louvor, às imagens de esculturas (Isaías, 42.8).
Quando o rei Nabucodonosor intentou tomar a glória de Deus para si, ele foi abatido e humilhado. Passou a viver como animal, até que reconheceu a soberania de Deus (Daniel, 4.29-37).
O rei Herodes, vestiu as vestes real, assentou-se no seu trono e fez um discurso para o povo. Herodes era idolatrado e reverenciado pelo povo, como se fosse deus. Enquanto ele falava o povo exclamava: É a voz de um deus e não de um homem que nos fala. Ele aceitou e tomou para si esta glória, e como consequência, foi ferido pelo anjo e em seguida comido pelos bichos.
Diz o texto sagrado: Herodes estava tomado de ira contra o povo de Tiro e Sidom; todavia, eles haviam promovido uma reunião e buscavam uma maneira de serem recebidos em audiência por ele. Havendo conquistado o apoio de Blasto, homem de confiança do rei, pediram paz, pois dependiam das terras do rei para obter o alimento de suas famílias. Assim, no dia marcado, Herodes, vestindo trajes majestosos, assentou-se no seu trono e proclamou um discurso ao povo. Então, a multidão começou a gritar: “Eis que é um deus e não um simples mortal que nos fala!” Mas, considerando que Herodes não ofereceu glória a Deus, no mesmo instante um anjo do Senhor o feriu, e ele morreu comido de vermes (Atos, 12.20-23).
Portanto, ninguém se atreva a tomar a glória de Deus para si, a glória é exclusivamente Dele.
A Deus seja a glória, a honra, o louvor e adoração. Para todo sempre. Amém! 

quinta-feira, 12 de abril de 2018

SEXTA FEIRA 13, REALIDADE OU SUPERSTIÇÃO?

E estando Paulo no meio do Areópago, disse: Varões atenienses, em tudo vos vejo um tanto supersticiosos; porque, passando eu e vendo os vossos santuários, achei também um altar em que estava escrito: AO DEUS DESCONHECIDO. Esse, pois, que vós honrais não o conhecendo é o que eu vos anuncio (Atos, 17.22,23). 

Sexta feira 13, conhecida por muitos como o dia do azar. Temido pelas pessoas que são supersticiosas. O termo Superstição do latim é superstitĭo, a superstição é uma crença que é contrária à razão e alheia à fé religiosa. O supersticioso crê que certos fenômenos têm uma explicação mágica ou mística. Eles dizem que as superstições aparecem como explicação para muitos fatos que desconhecemos. A superstição é um mito que vem desde os tempos remotos, os povos antigos já tinham suas crendices em fatos relacionados ao mundo invisível. Paulo em Atenas, percebeu que os cidadãos atenienses eram supersticiosos, e baseado na sua crença, ele pregou a sua mensagem. 

Quando ouvimos a palavra Sexta-feira 13 já ficamos logo assustados e lembramos de todas as velhas superstições que englobam gatos pretos, espelhos quebrados, não passar por debaixo das escadas e muitos outros que nos permite acreditar que tragam azar, mas isso são apenas superstições, que nossa cultura adotou com o passar dos séculos.

Para os místicos este dia está associado a evolução de todo ser e também é um dos dias mais poderosos, pois o número 13 somado é igual a 4 ( 1+3=4 ) e o número 4 significa o tudo existente, os quatro elementos, água, fogo, terra e ar. A sexta-feira 13 para os romanos, na antiguidade, era o dia dedicado ao deus da guerra; não tinha nada de azarento. Com o passar do tempo, alguns acontecimentos dados nesta época marcaram este dia. Transformando a Sexta-feira 13 em um dia temido por muitas pessoas. Uma lenda europeia diz que na Sexta-feira 13 “as bruxas estão a solta”.

Acreditem se quiser, mas as superstições e o azar estão ligados a acomodação e a falta de fé, uma maneira de encontrarmos culpados para nossos insucessos ou fracassos, muitas das vezes resultantes de nossa própria falta de fé, cuidado e esforço. Quando nós não conseguimos o que queremos, colocamos a culpa logo no "AZAR", mas quando tudo passa a dá certo, aí dizemos que somos “SORTUDOS”.

A superstição é derivada da nossa falta de fé e conhecimento da palavra de Deus, mas quando nos tornamos maduros na fé e no conhecimento, nossa forma de pensamento muda completamente. 

As Superstições muitas vezes é uma forma das pessoas encontrarem desculpas para os seus erros e fracassos. Por exemplo: Quando um gato preto atravessa nosso caminho logo pensamos que teremos um dia inteiro de azar; há quem diga que você terá a real certeza de “azar” se você o chutar. Quando quebramos um espelho acidentalmente morremos de pavor achando que teremos 7 anos de azar. Ao passarmos por debaixo de uma escada também pensamos que nosso dia será desastroso, cheio de azar. Quando passamos por uma encruzilhada e nos deparamos com um despacho, sentimos receio e passamos de largo, temendo ser atingido pelo mal. 

A ligação ao número 13 deve-se ao fato de que foi numa sexta-feira que Cristo foi crucificado, após a última ceia onde estiveram presentes 13 pessoas, Cristo e os 12 apóstolos, sendo traído por Judas, que se enforcou também numa sexta-feira. As pessoas que evitam a influência do número 13 a todo o preço são consideradas triscaidecofóbicos. Por causa da superstição, o número 13 tem sido extinto em muitos andares de edifícios e repartições. E se você nunca pensou bem nisto, olhe à sua volta e veja quantos prédios de hotéis não contam com o décimo terceiro andar ou com o quarto número treze. E também você nunca sentiu a falta da tecla F13 do seu computador?

Todavia, tudo isto é superstição, e está relacionada a falta de fé em Deus e conhecimento da sua palavra. A palavra de Deus nos diz: Toda ferramenta preparada conta ti não prosperará; e toda a língua que se levantar contra ti em juízo, tu a condenarás; esta é a herança dos servos do SENHOR e a sua justiça que vem de mim, diz o SENHOR (Isaías, 54.17). O verdadeiro cristão não é supersticioso, porque a sua fé está fundamentada na palavra de Deus, e ele não teme a sexta feira treze, nem acredita que a sua vida está azarada por causa de fatos ocorridos em sua vida, por causa de olho gordo ou trabalho de macumba. Porque está escrito: Pois contra Jacó não vale encantamento, nem adivinhação contra Israel ... (Números, 23.23). Muito pelo contrário, Deus é o nosso escudo, defesa e proteção. Está escrito: Aquele que habita no esconderijo do Altíssimo, à sombra do Onipotente descansará. Direi do SENHOR: Ele é o meu Deus, o meu refúgio, a minha fortaleza e nele confiarei (Salmos, 91.1,2). Assim podemos declarar, todos os dias, inclusive na sexta feira treze: Nenhum mal me sucederá, nem praga alguma chegará na minha casa, porque Grandes coisas fez o SENHOR por nós, e, por isso, estamos alegres (Salmos, 126.3). Amém! 

domingo, 8 de abril de 2018

FORTIFICA TEUS MUROS.


Agora, pois, reúne as tuas tropas, ó cidade das tropas; e fortifica teus muros, ó cidade murada; porquanto já há um cerco contra nós ... (Miqueias, 5.1).

Nesta ocasião o profeta Miqueias avisa aos moradores de Jerusalém, capital do reino de Judá, cujo rei era Ezequias, sobre o cerco de Senaqueribe rei da Assíria. Os assírios eram orgulhosos e imaginavam ser superiores a Deus. Naquela época, as batalhas não eram consideradas apenas combates humanos, mas também lutas entre os deuses das nações. Deus permitiu vitória aos assírios sobre Samaria (Is.10.6), e com isso o rei da Assíria acreditou que poderia atacar e vencer quem bem quisesse (Is.10.7). O rei da Assíria se gabava do seu poder militar e da quantidade de territórios conquistados (Is.10.8,9,14). Presume ser mais forte do que o Deus de Jerusalém e imagina que ninguém poderá resistir o seu exército (Is.10.10,11). Além disso, vangloria-se da sua força física, sabedoria e inteligência (Is.10.13). Ao falar de si mesmo como valente e "poderoso" eleva-se quase ao mesmo nível de Deus. Mas a sua soberba e orgulho excessivo o levou a derrota.

Um muro geralmente serve de proteção contra possíveis ataques do inimigo. No passado, as cidades eram muradas e vigiada pelas atalaias que ficavam de prontidão para avisar quando as tropas inimigas viessem atacar. Fortificar o nosso muro espiritual é algo que se faz necessário. Devemos ficar alerta e vigiando para não sermos surpreendidos pelos ataques do inimigo. Neemias quando recebeu permissão do rei Artaxerxes para ir a Jerusalém, que estava destruída, a sua primeira preocupação foi edificar os muros, para impedir possíveis ataques dos inimigos da obra. A exemplo de Neemias, a nossa geração precisa fortalecer os muros e tapa as brechas. 

TRÊS FORMAS DE FORTIFICAR O NOSSO MURO ESPIRITUAL.

ATRAVÉS DA ORAÇÃO E VIGILÂNCIA.
Orando em todo o tempo com toda oração e súplica no Espírito e vigiando nisso com toda perseverança e súplica por todos os santos (Efésios, 6.18).

ATRAVÉS DA MEDITAÇÃO E PRATICA DA PALAVRA DE DEUS.
Oh! Quanto amo a tua lei! É a minha meditação em todo o dia! (Salmos, 119.97).
Escondi a tua palavra no meu coração, para eu não pecar contra ti (Salmos, 119.11).

ATRAVÉS DA SANTIFICAÇÃO E UMA VIDA IRREPREENSÍVEL.
Mas, como é santo aquele que vos chamou, sede vós também santos em toda a vossa maneira de viver. Porquanto está escrito: Sede santos, porque eu sou santo (I Pedro, 1.15,16).

Se os nossos muros forem fracos, estaremos vulneráveis aos ataques do inimigo, e consequentemente seremos derrotados. Há uma frase de um pensador que diz: “ Quando o inimigo conhece as tuas fraquezas, deves fortalecer os teus muros” (Kabral Araujo). Como cristãos, devemos estar vigilantes para que nada rompa as nossas defesas espirituais. Mesmo que seja o cristão mais maduro, nunca pode se permitir baixar sua guarda.

sábado, 7 de abril de 2018

O FIM DO IMPÉRIO DA MORTE.

E, visto como os filhos participam da carne e do sangue, também Ele (Jesus) participou das mesmas coisas, para que pela morte, aniquilasse o que tinha o império da morte, isto é, o diabo, e livrasse todos os que, com medo da morte, estavam por toda a vida sujeitos à servidão (Hebreus, 2.14,15).

O império da morte começou desde que nossos primeiros pais pecaram. Esse império teve a sua origem na desobediência de Adão e Eva. Ele veio dominando durante muitas eras, e tornou-se um poderoso império mundial. A bíblia chama esse império de O IMPÉRIO DA MORTE, e seu governante é Satanás. A vinda do Reino de Deus é o começo da destruição do domínio de satanás. Satanás tinha o império da morte, ele dominava e escravizava as pessoas. Desde a queda de Adão, Satanás passou a dominar, oprimir e escravizar o ser humano. Todos nós estávamos dominados por causa do pecado. Portanto, assim como por um homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado a morte, assim também a morte passou a todos os homens, por isso que todos pecaram (Romanos, 5.12). Mas Jesus Cristo veio para nos libertar do jugo de Satanás e soltar as cadeias da escravidão. Todos nós éramos prisioneiros e escravos da vontade desse império. 

Ninguém no universo tinha o poder de aniquilar esse império e a sua força, somente Deus através do seu filho Jesus Cristo poderia vencer este mal que afligia toda a humanidade. Este mal seria vencido de uma forma sobrenatural. Jesus nasceu de uma virgem, viveu entre nós e morreu por nossos pecados na cruz do calvário, mas não permaneceu morto, Ele ressuscitou e vivo estar para sempre. Somente com a sua morte e ressurreição o império da morte poderia ter fim. Ninguém nunca havia vencido a morte, todos que foram por ela tragados e permaneceram inertes nas suas covas, mas não foi assim com Jesus; a morte não pode segurá-lo, Ele ressuscitou ao terceiro dia.
O melhor de tudo isso é que com a sua morte e ressurreição Jesus quebrou o poder do império da morte, sobre a vida daqueles que o aceitam como seu único e suficiente salvador.


Paulo proclama a nossa vitória sobre a morte, dizendo: E, quando isto que é corruptível se revestir da incorruptibilidade, e isto que é mortal se revestir da imortalidade, então, cumpri-se-a a palavra que está escrita: Tragada foi a morte na vitória. Onde está ó morte, o teu aguilhão? Onde está, ó inferno, a tua vitória? Ora, o aguilhão da morte é o pecado, e a força do pecado é a lei. Mas graças a Deus que nos dá a vitória por nosso Senhor Jesus Cristo (I Coríntios, 15.54-57).

Definitivamente, o império da morte teve fim, Jesus venceu o mundo, o pecado, a morte e Satanás. Você agora pode escolher ser livre, aceitando a Jesus Cristo como seu único e suficiente Senhor e Salvador. Ele vai lhe tirar do império das trevas e lhe transportar para o Reino da luz do seu amor. Faça isto agora! Saia da morte e venha para vida que JESUS. 

sexta-feira, 6 de abril de 2018

SAIA DE CIMA DO MURO.

Então, Elias se chegou a todo o povo e disse: Até quando coxeareis entre dois pensamentos? Se o SENHOR é Deus, segui-o; e, se Baal, segui-o. Porém o povo lhe não respondeu nada (I Reis, 18.21).

A nação de Israel estava vivendo uma fase de grande decadência espiritual. O povo estava totalmente entregue a idolatria, ainda assim queriam servir a Deus e a Baal ao mesmo tempo. Diante deste quadro, Elias desafia a nação com uma pergunta dizendo: Até quando coxeareis entre dois pensamentos? Se o SENHOR é Deus, segui-o; e, se Baal, segui-o. Porém o povo lhe não respondeu nada.
É triste saber que em pleno século XXI, há muitos cristãos em cima do muro. Quem fica em cima do muro demonstra que está indeciso, incerto e sem convicção de fé. A grande tragédia que pode acontecer com quem fica em cima do muro, é que a qualquer momento pode cair.
Ficar em cima do muro significa não ter certeza do que quer, nem convicção de fé.
Jesus foi claro em dizer: Ninguém pode servir a dois senhores (Mateus, 6.24). O problema é que muitos "cristãos", preferem viver uma vida dupla, servindo a Deus e o mundo ao mesmo tempo, se é que isto é possível. Muitos não querem renunciar totalmente o pecado, e ainda assim querem justificar o seu erro dizendo: Deus conhece meu coração. Querem usar a graça como um indulto para pecar. Todavia Deus não aceita nem o Espírito Santo aprova, quem fica em cima do muro. Jesus disse: Eu sei as tuas obras, que nem és frio nem quente. Tomara que foras frio ou quente. Assim, porque és morno e não és frio nem quente, vomitar-te-ei da minha boca (Ap.3.15,16).

Em outra ocasião, Josué o sucessor de Moisés, disse ao povo: Agora, pois, temei ao SENHOR, e servi-o com sinceridade e com verdade, e deitai fora os deuses aos quais serviram vossos pais dalém do rio e no Egito, e servi ao SENHOR. Porém, se vos parece mal aos vossos olhos servir ao SENHOR, escolhei hoje a quem sirvais; se os deuses a quem serviram vossos pais, que estava dalém do rio, ou os deuses dos amorreus, em cuja terra habitais; porém eu e a minha casa serviremos ao SENHOR (Josué, 24.14,15).
Deus espera que decidamos a quem queremos de fato servir, não é possível ficar em cima do muro, temos que tomar uma decisão definitiva: Ou sirvamos a Deus com sinceridade e com verdade; ou sirvamos ao Diabo, a carne, ao mundo e seus prazeres.
Nós cristãos, devemos levar a sério o nosso compromisso com Deus. Porque muitos preferem curtir a vida no pecado, não querem compromisso com Deus e vivem brincando de ser crente. Preferem se contentar com as migalhas que o mundo oferece, do que ter um relacionamento sério com Deus.
Mergulhe fundo em um relacionamento sério com Deus, saia de cima do muro, e viva uma vida de santidade e responsabilidade cristã. Todos nós seremos cobrados por nossas atitudes diante de Deus.
Não seja um crente nominal, mas seja um cristão de verdade. Amém!