sábado, 28 de julho de 2018

DEIXANDO PARA DEPOIS.

Passados vários dias, Félix veio com Drusila, sua esposa que era judia, e ordenou que lhe trouxessem Paulo e o ouviu falar sobre a fé em Cristo Jesus. 
Quando Paulo começou a pregar sobre a justiça, o domínio próprio e o juízo vindouro, Félix ficou apavorado e exclamou: “Basta, por agora! Podes retirar-te, em outra ocasião, mais conveniente, te mandarei chamar outra vez” (Atos, 24.24,25).

Nós os humanos, temos o costume de adiar as coisas e deixar tudo pra depois. Há muitas coisas na vida que nós não devemos deixar para depois, pois corremos o risco de perdermos a oportunidade de realizarmos nossos planos, e depois pode ser tarde demais.
Existe oportunidade na vida que são ímpar, e devemos aproveitar e agarra-la agora, porque se deixarmos para depois, já era, passou. 
O governador Félix e sua esposa Drusila, tiveram uma grande oportunidade ao ouvir Paulo pregar sobre o evangelho de Cristo, mas ele ficou apavorado ao ouvir a mensagem de Paulo, lhe interrompeu e disse: "Basta, por agora! Podes retirar-te, em outra ocasião, mais conveniente, te mandarei chamar outra vez”. Ou seja: Depois te ouvirei. 
Félix era aquele tipo de pessoa muito comum em nossos dias; conhecia a história de Cristo, tinha medo da morte e do julgamento final, mas não queria saber de entregar a sua vida a Cristo. 
Paulo não perdia tempo nem jogava palavras ao vento. Sua mensagem era objetiva e direcionada pelo Espírito Santo ao coração dos ouvintes às suas maiores necessidades. Paulo estava diante do governador Félix, ele poderia ter apelado por sua libertação ou preparado uma mensagem suave, que massageasse o ego do governador e da sua esposa. Entretanto, Paulo falou da parte do SENHOR, o que Félix e Drusila mais necessitavam: Arrependimento e salvação. 
A reação foi semelhante a de muitos nos dias de hoje: Depois eu penso nisso, em outra oportunidade te ouvirei.  

TEMOS O COSTUME DE DEIXAR TUDO PRA DEPOIS.

Depois eu resolvo.
Depois eu ligo.
Depois eu faço.
Depois eu falo.
Depois eu mudo.
Depois eu aceito.
Depois eu leio.
Depois eu abraço.
Depois eu amo.

DEIXAMOS TUDO PRA DEPOIS, COMO SE DEPOIS FOSSE MELHOR E O AMANHà NOS PERTENCESSE.

Depois o cedo fica tarde.
Depois o dia anoitece.
Depois o encanto se perde.
Depois a saudade passa.
Depois as pessoas mudam.
Depois as coisas mudam.
Depois o café esfria.
Depois os filhos crescem.
Depois a gente envelhece.
Depois a vida acaba.

Viva intensamente o hoje e aproveite a vida com todas as boas oportunidades que Deus lhe dar.

Hoje você sorrir.
Hoje você é feliz.
Hoje você vence.
Hoje você conquista.
Hoje você realiza.
Hoje você ama, abraça, perdoa ... 

Há uma célebre frase que diz: "Não deixe para amanhã o que você pode fazer hoje".
Talvez amanhã não haverá uma nova oportunidade. 
Só se vive uma vez, depois da morte não haverá um bis.
E, como aos homens está ordenado morrerem uma vez, vindo, depois disso, o juízo (Hebreus, 9.27). 
Agora é o tempo favorável, hoje é dia de salvação. Aceite hoje o plano da Salvação na pessoa de Jesus Cristo, amanhã pode ser tarde demais. Pense nisso.

quarta-feira, 25 de julho de 2018

LÍDIA, UMA MULHER HOSPITALEIRA.

No dia de sábado, saímos fora das portas, para a beira do rio, onde julgávamos haver um lugar para oração; e, assentando-nos, falamos às mulheres que ali estavam. E uma certa mulher chamada Lídia, vendedora de púrpura, da cidade de Tiatira, e que servia a Deus, nos ouvia e o Senhor lhe abriu o coração para que estivesse atenta ao que Paulo dizia. Depois que foi batizada, ela e a sua casa, nos rogou, dizendo: Se haveis julgado que eu seja fiel ao Senhor, entrai em minha casa e ficai ali. E nos constrangeu a isso. (Atos, 16.13-15).

QUEM ERA LÍDIA?

Lídia era asiática, nascida na cidade de Tiatira, mas morava em Filipos. Seu nome deriva da região da Lídia, onde Tiatira ficava. Seu nome pode ser um adjetivo, a mulher de Lídia, que nasceu em Lídia. Devia ser uma mulher de alta posição social, solteira ou viúva (não se sabe), pois seu marido não é mencionado. A igreja em Filipos começou com ela. Era convertida ao judaísmo, mas entendeu o evangelho através da pregação de Paulo, e tornou-se uma cristã fervorosa. Alguns traços do seu caráter cristão nos ajudam a ver como o cristianismo primitivo vivia e podemos ter boas lições para nossas vidas.

AS QUALIDADES DE LÍDIA.

Uma mulher trabalhadora.

Era uma mulher empreendedora e próspera que tinha como ofício a venda de tecidos de púrpura, material que só os nobres da época tinham acesso por se tratar de uma tintura com alto valor estético muito rara e difícil de ser obtida.

Uma mulher devota.

Lídia era uma serva temente a Deus, que servia ao SENHOR com piedade e devoção. Na hora do culto ela não desviou a sua atenção, mas ficou atenta a palavra que Paulo pregava. O que resultou em sua conversão do judaísmo ao cristianismo. A sua atenção voltada para ouvir a palavra de Deus serve de exemplo, não só para as mulheres, mas para todos os cristãos.  

Uma mulher de fé.

A sua fé em Deus é referendada quando o texto diz que ela servia a Deus. A sua fé foi confirmada quando o senhor lhe abriu o coração para que estivesse atenta ao que Paulo pregava. Ele creu e foi batizada, dando assim testemunho público da sua fé em Jesus Cristo.

Uma mulher fiel.

Ela desafia os apóstolos, dizendo: Se haveis julgado que eu seja fiel ao Senhor, entrai em minha casa e ficai ali.
Os apóstolos confirmam sua fidelidade ao Senhor e atende o seu pedido.  A fidelidade de Lídia ao Senhor, ganhou a confiança de Paulo, ao ponto de estabelecer reunião de culto em sua casa. Onde se originou a igreja em Filipos. 

Uma mulher hospitaleira.

Entrai em minha casa e ficai ali. E nos constrangeu a isso (vers.15).
No tempo antigo não havia tantas hospedarias, de forma que a maioria dos viajantes dependia da recepção de moradores pelo caminho que seguiam. Sabendo da necessidade de acolher viajantes, os apóstolos aconselhavam os cristãos ser hospitaleiros (Romanos 12.13; Hebreus 13.2I Pedro 4.9). Os líderes da igreja deviam ser receptíveis (I Timóteo 3.2; Tito 3.8). Entre os critérios para ser uma viúva sustentada pela igreja estava a caraterística da hospitalidade (I Timóteo 5.10).

Lídia convidou os apóstolos para irem a sua casa. A casa de Lídia se tornou uma referência para os apóstolos, que após serem libertos da prisão, foram para casa de Lídia. E saindo da prisão, entraram em casa de Lídia, e, vendo os irmãos, os confortaram, e depois partiram (Atos, 16.40).
A igreja em Filipos conhecida por Filipenses, nasceu na residência de Lídia. Sua casa tornou-se era um local de adoração a Deus.

Conclusão: 
Lídia foi uma mulher notável, por ser uma serva de Deus. Entre as qualidades de Lídia, se destaca o fato de ser uma mulher de fé. Seu nome se tornou conhecido por sua fé e pela gentileza em hospedar os apóstolos do Senhor. Que o exemplo de Lídia sirva de inspiração para as mulheres de hoje, principalmente para as que servem ao Senhor. 

sábado, 21 de julho de 2018

A FALSA RELIGIOSIDADE E A PRATICA DO AMOR.

Certa vez, um advogado da Lei levantou-se com o propósito de submeter Jesus à prova e lhe indagou: “Mestre, o que preciso fazer para herdar a vida eterna?” Ao que Jesus lhe propôs: “O que está escrito na Lei? Como tu a interpretas?” E ele replicou: “Amarás o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma, de todas as tuas forças e com toda a tua capacidade intelectual’ e ‘Amarás o teu próximo como a ti mesmo’”. Então, Jesus lhe afirmou: “Respondeste corretamente; faze isto e viverás”. Ele, no entanto, insistindo em justificar-se, questionou a Jesus: “Mas, quem é o meu próximo?” 
Diante do que Jesus lhe responde assim: “Certo homem descia de Jerusalém para Jericó, quando veio a cair nas mãos de alguns assaltantes, os quais, depois de lhe roubarem tudo e o espancarem, fugiram, abandonando-o quase morto. Coincidentemente, descia um sacerdote pela mesma estrada. Assim que viu o homem, passou pelo outro lado. Do mesmo modo agiu um levita; quando chegou ao lugar, observando aquele homem, passou de largo. Mas um samaritano, estando de viagem, chegou onde se encontrava o homem e, assim que o viu, teve misericórdia dele. Então, aproximou-se, enfaixou-lhe as feridas, derramando nelas vinho e óleo. Em seguida, colocou-o sobre seu próprio animal, levou-o para uma hospedaria e cuidou dele. No dia seguinte, deu dois denários ao hospedeiro e lhe recomendou: ‘Cuida deste homem, e, se alguma despesa tiverdes a mais, eu reembolsarei a ti quando voltar’. Qual destes três te parece ter sido o próximo do homem que caiu nas mãos dos assaltantes? Declarou-lhe o advogado da Lei: “O que teve misericórdia para com ele!” Ao que Jesus lhe exortou: “Vai e procede tu de maneira semelhante” (Lucas, 10.25-37).

Nesta parábola vamos encontrar quatro personagens com atitudes diferentes. Esta parábola retrata a falsa religiosidade por parte daqueles que priorizam a religião através do conhecimento teológico, litúrgico e dogmático. Jesus deixou claro nesta parábola para o doutor da lei, que o seu conhecimento da torá (lei de Moisés), e a religiosidade do sacerdote e do levita de nada adiantaria sem a verdadeira pratica do amor. 
Na atualidade não é diferente, semelhante ao doutor da lei que interrogou Jesus, temos muitos teólogos que ostentam os seus conhecimentos e se acham acima da média. Religiosos semelhantes ao sacerdote e levita da parábola, temos muitos. Muitos estão vivendo uma falsa religião, buscando seus próprios interesses e em busca de posição eclesiástica e status social; deixando de viver a verdadeira religião na pratica do amor. 

Um Teólogo Querendo Justifica-se.

O advogado da lei ou doutor da lei, era um homem de grande conhecimento da torá (lei de Deus). Ele fez duas perguntas a Jesus: A primeira com a intenção de submeter Jesus à prova, e a segunda para querer justifica-se. O texto diz: Certa vez, um advogado da Lei levantou-se com o propósito de submeter Jesus à prova e lhe indagou: “Mestre, o que preciso fazer para herdar a vida eterna?” Ao que Jesus lhe propôs: “O que está escrito na Lei? Como tu a interpretas?” E ele replicou: “Amarás o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma, de todas as tuas forças e com toda a tua capacidade intelectual’ e ‘Amarás o teu próximo como a ti mesmo’”. Então, Jesus lhe afirmou: “Respondeste corretamente; faze isto e viverás”. Ele, no entanto, insistindo em justificar-se, questionou a Jesus: “Mas, quem é o meu próximo?” 
Porém, ele se esqueceu que ninguém consegue pegar Jesus em contradição, porque Ele é a verdade e nele não há engano. Nem tão pouco justifica-se diante dele, pois Ele é quem nos justifica, porque Ele é Deus. O doutor da lei, era um teólogo frio, e a sua fé era teórica. Hoje não é diferente, muitos tem uma boa cultura bíblica, mas a sua religião é teórica e não tem nada de Deus. 

Dois Religiosos Sem Amor.

Jesus cita na parábola dois personagens religiosos: Um sacerdote e um levita.
O sacerdote era um ministro do culto, responsável por conduzir o povo a adoração e pela ministração da palavra. 
O levita exercia um ministério diaconal, ele era encarregado de cuidar das coisas sagradas na organização da Casa de Deus. Havia também uma classe de levitas que eram responsáveis pela música, na celebração do culto. 
Eles tiveram atitudes semelhantes ao ver um homem ferido a beira do caminho, precisando de socorro. O texto diz: “Certo homem descia de Jerusalém para Jericó, quando veio a cair nas mãos de alguns assaltantes, os quais, depois de lhe roubarem tudo e o espancarem, fugiram, abandonando-o quase morto. Coincidentemente, descia um sacerdote pela mesma estrada. Assim que viu o homem, passou pelo outro lado. Do mesmo modo agiu um levita; quando chegou ao lugar, observando aquele homem, passou de largo. 
Nesta parábola Jesus nos ensina que a nossa religião é vã, quando não usamos de misericórdia e praticamos o amor. 

Um Samaritano Misericordioso.

Os samaritanos eram considerados pelos judeus uma raça mista, e por motivos históricos eram rival dos judeus, além de serem julgados como falsos praticantes do culto na adoração a JEOVÁ.
Mas, foi exatamente um samaritano que socorreu o homem ferido, que estava quase morto a beira do caminho. Este homem da parábola que foi assaltado e espancado, provavelmente era judeu. Mas o amor vai além das rivalidades, quem usa de misericórdia, não olha raça, cor, classe social, nem religião. O amor está acima de tudo. O texto diz: Mas um samaritano, estando de viagem, chegou onde se encontrava o homem e, assim que o viu, teve misericórdia dele. Então, aproximou-se, enfaixou-lhe as feridas, derramando nelas vinho e óleo. Em seguida, colocou-o sobre seu próprio animal, levou-o para uma hospedaria e cuidou dele. No dia seguinte, deu dois denários ao hospedeiro e lhe recomendou: ‘Cuida deste homem, e, se alguma despesa tiverdes a mais, eu reembolsarei a ti quando voltar’. 
Diante deste fato, Jesus perguntou ao doutor da lei: Qual destes três te parece ter sido o próximo do homem que caiu nas mãos dos assaltantes? Declarou-lhe o advogado da Lei: “O que teve misericórdia para com ele!” Ao que Jesus lhe exortou: “Vai e procede tu de maneira semelhante”.
Pela lógica, quem deveria socorre o homem ferido com uma atitude nobre, seriam os religiosos (o sacerdote e o levita) e não o samaritano, que era rival dos judeus. Mas a religião não resolve, não adianta ser religioso, ter cargo relevante na Casa de Deus, e não praticar a verdadeira religião, que é o amor. 
Jesus nos ensina nesta parábola que o nosso próximo é todo aquele que precisa da nossa ajuda, independente de raça, cor, religião ou qualquer preconceito. 
Que possamos viver a verdadeira religião, através da pratica do amor. Amém!

sexta-feira, 13 de julho de 2018

5 Bênçãos Na Oração Intercessora De Jesus.

No capítulo 17 do evangelho de João, Jesus aparece como nosso grande intercessor. Na sua oração sacerdotal ele rogo ao Pai pelos seus discípulos, incluindo nós hoje. 
Jesus como homem, viveu uma vida de oração. A oração era uma parte integrante do seu ministério, e muito importante na sua vida de comunhão com o Pai. 
Na sua última noite com os discípulos, Jesus orou pedindo ao Pai proteção para seus discípulos. Nos vinte e seis versículos deste capítulo 17 do evangelho de João, iremos encontrar cinco pedidos de Jesus ao Pai, exclusivos para os seus discípulos, para sua igreja.

PROTEÇÃO.

Não oro para que os tires do mundo, mas que os livre do mal (João, 17.15).
Ser cristão não significa viver alienado do mundo, sem saber de tudo que acontece no mundo, nem estar livre de todo perigo e tentação. Mas a oração de Jesus oferece proteção contra o verdadeiro perigo: O diabo. Quem ama Jesus sabe que o diabo não o pode destruir. Está escrito: Sabemos que todo aquele que é nascido de Deus não é escravo do pecado; mas o que de Deus é gerado conserva-se a si mesmo, e o maligno não lhe toca (I João, 5.18).

SANTIFICAÇÃO.

Santifica-os na verdade; a tua palavra é a verdade (João, 17.17).
Viver para Jesus é viver em santidade. 
E só a palavra de Deus tem poder de nos santificar.

UNIÃO.

Eu lhes tenho transferido a glória que me tens dado, para que sejam um, como nós o somos: Eu neles e Tu em mim, a fim de que sejam aperfeiçoados na unidade, para que o mundo conheça que Tu me enviaste e os amaste, como também amaste a mim (João, 17.22,23). 
Ninguém é uma ilha. O desejo de Deus é que vivamos em união com nossos irmãos e com Cristo. A união é essencial em nossa caminhada cristã e precisamos uns dos outros. Somente através da glória de Jesus conseguimos nos unir.

GLÓRIA.

Pai, Eu desejo que os que me deste estejam comigo onde Eu estou e contemplem a minha glória, a glória que me outorgaste porque me amaste antes da criação do mundo (João, 17.24).
A grande bênção que Jesus nos oferece é sua presença. Podemos conhecer sua glória e encontrar a paz de sua presença em todo tempo.

AMOR.

Eu lhes dei a conhecer o teu Nome e ainda continuarei a revelá-lo, a fim de que o amor com que me amaste esteja neles, e Eu neles esteja (João, 17.26).
Pelo amor de Deus a igreja vai permanecer unida. Jesus deseja estar sempre conosco e nos dar seu amor.