terça-feira, 22 de outubro de 2019

O HOMEM DA MÃO MIRRADA.

E outra vez entrou na sinagoga, e estava ali um homem que tinha uma das mãos mirrada. E estavam observando-o se curaria no sábado, para o acusarem. E disse ao homem que tinha a mão mirrada: Levanta-te e vem para o meio. E perguntou-lhes: É lícito no sábado fazer bem ou fazer mal? Salvar a vida ou matar? E eles calaram-se. E, olhando para eles em redor com indignação, condoendo-se da dureza do seu coração, disse ao homem: Estende a mão. E ele a estendeu, e foi-lhe restituída a mão, sã como o outra. E, tendo saído os fariseus, tomaram logo conselho com os herodianos contra ele, procurando ver como o matariam (Marcos, 3.1-6).

Este episódio está registrado nos três evangelhos sinóticos, que são: Mateus, Marcos e Lucas. Marcos nos informa que Jesus entrou outra vez na sinagoga. Dando a entender que Jesus havia entrado outras vezes, porque Ele tinha o costume de ensinar e pregar nas sinagogas dos judeus. As sinagogas serviam de escolas durante a semana, e no sábado eram utilizadas como local de culto para os judeus, onde era lida a Lei de Moisés. É bem provável que a sinagoga estava lotada, e pela ordem dos assentos, o homem da mão mirrada estava sentado nos últimos bancos, lá no cantinho.

INFORMAÇÕES SOBRE A SINAGOGA:

Champlim nos informa que no tempo de Jesus havia sinagogas em qualquer vila. Em Jerusalém, existiam, aproximadamente, 480. Jesus frequentava e pregava nas sinagogas (Mt 4.23; 9.35; Lc 4.16-30; 13.10; Jo 6.59; 18.20, entre outros). Majoritariamente, a sinagoga era reservada às discussões voltadas ao judaísmo e, eventualmente, ainda que correndo alguns riscos, eram conferidas oportunidades para homilias livres: “E, depois da lição da lei e dos profetas, mandaram-lhes dizer os principais da sinagoga: Homens irmãos, se tendes alguma palavra de consolação para o povo, falai” (At 13.15). Além de servir de escola durante a semana para os filhos dos judeus aprenderem sobre a Torá (Lei de Moisés).

O termo “sinagoga”, do grego sunagoge, tecnicamente, significa “casa” ou “lugar de reunião”, do hebraico bêt knesset. Alguns estudiosos creditam a Esdras a responsabilidade da criação da sinagoga no contexto judaico, durante o exílio babilônico.
Por volta de 750 a.C., o reino foi dividido em dois: Israel, na região Norte, e Judá, na região Sul. Em 722 a.C., o reino do Norte foi devastado pelos assírios. Séculos depois, mais precisamente em 587 a.C., o reino do Sul foi conquistado pelos babilônios. Em 539 a.C., aqueles que regressaram à sua terra natal passaram, então, a ser chamados de judeus, por serem provenientes de Judá e da Judéia.
Foi depois do regresso do exílio na Babilônia que a religião que hoje conhecemos como judaísmo começou a se desenvolver. O culto era realizado na sinagoga, um hábito adquirido na Babilônia, devido à inexistência de um templo. A sinagoga durante a semana servia como escola para os filhos dos judeus aprenderem a Torá, e na sábado era o ponto de encontro dos judeus para orações e leitura das Escrituras. 

A SINAGOGA POR DENTRO.

A respeito desse aspecto interior, há três fatores essenciais que devem ser rigorosamente observados no que se refere às mobílias de uma sinagoga:

ARCA (uma espécie de caixa).

Esse componente é tido como o “sacrário da Torá”, ou seja, uma espécie de caixa onde nela é guardado os rolos da Torá, os cinco primeiros livros de Moisés, onde se baseiam as leituras aos sábados.

BIMÁ (uma espécie de púlpito).

É uma espécie de tribuna onde o ministrante faz a leitura da Tora e dos Profetas e profere bênçãos (da Torá) sobre os presentes. Esdras, ao ensinar a Palavra de Deus ao povo de Israel, ministrou sobre um estrado, o que equivaleria a uma tribuna das sinagogas atuais: “E Esdras, o escriba, estava sobre um púlpito de madeira, que fizeram para aquele fim; e estava em pé junto a ele...” (Ne 8.4).

OS ASSENTOS.

O assento mais importante da sinagoga, é o que a Bíblia chama de “cadeira de Moisés”. “Então falou Jesus à multidão e aos seus discípulos, dizendo: Na cadeira de Moisés estão assentados os escribas e fariseus” (Mt 23.1,2). E era justamente nessa cadeira que se sentava o presidente da sinagoga, que eram escribas ou fariseus. Segundo alguns, a distribuição dos assentos seguia uma ordem, uma organização. Por exemplo, os anciãos se sentavam próximo à Arca, de frente à plateia, os membros mais distintos à frente, os mais jovens atrás, e por último ficavam as mulheres.

AUTORIDADES DA SINAGOGA.

Em uma sinagoga, há os oficiais que colaboram para o andamento satisfatório do agrupamento, e essa organização é de competência de pelo menos três representantes.

O PRÍNCIPE DA SINAGOGA.

E, tomando a palavra o príncipe da sinagoga ... (Lucas 13.14).
O príncipe da sinagoga ou chefe, era o superintendente responsável pela liturgia do culto. A ordem na sinagoga ficava sempre sob a responsabilidade do líder maior, o qual podemos designar de superintendente. A oração e a leitura da Torá ficavam sob a direção do chefe, que, caso quisesse, poderia escolher alguém para a explanação e para orar (Atos 13.15).
A bênção, era impetrada pelo superintendente da sinagoga.

O ASSISTENTE.

Ao assistente ou ministro era delegado o trabalho de retirar os rolos escriturísticos da arca e colocá-los em seus devidos lugares, além de outras atividades simples.
Quando Jesus concluiu a leitura de Isaías na sinagoga, devolveu o rolo das Escrituras ao assistente: “E [Jesus], cerrando o livro, e tornando-o a dar ao ministro [assistente], assentou-se; e os olhos de todos na sinagoga estavam fitos nele. Então começou a dizer-lhes: Hoje se cumpriu esta Escritura em vossos ouvidos” (Lc 4.20,21). 

O MINISTRO DA PALAVRA.

O ministrante era responsável pela explanação da Torá, geralmente eram os rabinos, escribas e fariseus que ministravam o ensino da Lei para o povo. Jesus como era considerado mestre, tinha sempre a oportunidade de ministrar quando ia a sinagoga. E, chegando a Nazaré, onde fora criado, entrou num dia de sábado, segundo o seu costume, na sinagoga e levantou-se para ler. E foi lhe dado o livro do profeta Isaías ... (Lucas, 4.16,17).

Referências bibliográficas sobre a sinagoga, fontes:
COLEMAN, William L. Manual dos tempos e costumes bíblicos. Minas Gerais: Editora Betânia, 1991.
KOLATCH, Alfred Jr. Livro judaico dos porquês. São Paulo: Editora e Livraria Sêfer, 2001.
CHAMPLIN, R.N & BENTES, J.M. Enciclopédia de Bíblia, teologia e filosofia. São Paulo: Editora Candeia, 1997.

DUAS CLASSES DE PESSOAS QUE VEM À CASA DE DEUS:

- Os que vem para observar.
  São os curiosos que vem assistir o culto.

- Os que vem para cultuar.
  São os adoradores que vem para adorar.

DOIS PROBLEMAS O HOMEM TEVE QUE ENFRENTAR:

- O problema do preconceito, por ter uma deficiência física.

- O problema da religiosidade dos fariseus, por ser um dia de sábado.

TRÊS ORDENS DE JESUS PARA O HOMEM:

- Levanta-te.
  Significa disposição, se dispor, sair do comodismo, da zona de conforto.

- Vem para o meio.
   O meio é lugar de destaque, significa está visível a todos. Deus vai te exaltar no meio ...

- Estende a mão.
  Mão estendida é para receber algo.
  Quem mandou estender a mão foi Jesus, só Ele pode dá o que precisamos.

TRÊS LIÇÕES EXTRAÍDAS DA CURA DO HOMEM DA MÃO MIRRADA.

- O homem estava no lugar certo, na sinagoga (na Casa de Deus).
Na Casa de Deus é o lugar da bênção, é onde acontece o milagre, não saia do lugar da bênção.

- O homem enfrentou e venceu os preconceituosos.
Nunca desista diante dos obstáculos, mas persista e avance, você vai vencer.

- O homem obedeceu as ordens de Jesus.
O segredo é obedecer, o milagre da cura só aconteceu porque o homem obedeceu. Deus mandou, obedeça. Porque quem obedece tem vitória. Amém!

Nenhum comentário:

Postar um comentário