domingo, 3 de julho de 2016

" O MEU CRISTO " (Poesia).

O mundo religioso tem se tornado um mundo de engano, em nome Deus muitos estão negociando a fé através da mídia e outros meios e seguimentos religiosos, usando a religião e explorando a fé dos incautos. O nome de Cristo tem sido blasfemado e usado como um show business, há cristos para todos os gostos e épocas. Cristo é comemorado e aplaudido durante todo o ano, através das festas tradicionais, do teatro e do cinema.
Esta poesia vai nos mostrar vários tipos de cristos que são criados pela imaginação humana, porém só existe um Cristo verdadeiro e este é Jesus o Messias, o Ungido, enviado de Deus, o Cristo que é Senhor e Salvador.

                                                 * O MEU CRISTO *

Neste mundo há muitos cristos, de muitas formas, de várias cores e de vários tamanhos,

Cristos inventados.

Cristos moldados.

Cristos tristes.

Cristos desfigurados.

Há cristos para cada gosto, cada objetivo, cada projeto.

Há o cristo das belas artes, um motivo como tantos outros para expressar uma forma ou exibir uma escola, pelo próprio homem criada. É o cristo só para se ver, analisar ou criticar, para exaltar o autor, o seu talento, sua invencionice.

Há o cristo da literatura, da prosa, do verso, da fama, do estilo famoso, do best-seller. É o cristo de pretexto, que serve de texto dentro de um contexto, que ajuda o seu autor a faturar mais, ser mais lido e procurado.

Há o cristo das cantigas, deturpado, maltratado e irreverentemente tratado. Aparece na crista das ondas, estoura nas paradas. É cantado nos salões e circula aos milhões como mercadoria para enriquecer a muitos. É o cristo de algibeira, fabricado como produto de consumo.

Há até o cristo do cinema e do teatro, sucesso absoluto de bilheteria. É a expressão da arte moderna fazendo a caricatura do maior personagem da história. É o cristo musicado, martirizado, encenado. É o cristo para o espetáculo, para os olhos, para os ouvidos, para o lazer, para a higiene mental.

Há o cristo do crucifixo, de pedra, de mármore, de madeira, de metal, de ouro e até mesmo de cristal. É o cristo para a aparência, para o colo da mocinha, para o peito piloso do rapaz excêntrico. É apenas ornamento ou simples decoração, embora, alguns lhe prestem culto, ele não vê, não ouve e não entende.

Há, também, infelizmente, o cristo de certos cristãos que ainda o tem no túmulo, e ainda conservado na tumba dura e fria. É o cristo que não vive porque os seus adoradores ainda estão mortos, sem despertar para a vida nova, a vida do próprio Cristo, da qual, ainda, lamentavelmente, não se apossaram.

O meu Cristo não é nenhum desses! O meu Cristo é o Filho de Deus que nasceu, cresceu e sofreu, foi condenado à morte e sepultado por causa dos meus pecados. O meu Cristo não ficou preso na sepultura escura! Ele ressuscitou, subiu ao céu e reina à direita do Pai!

O meu Cristo é cultuado, admirado e adorado porque está vivo e bem vivo! Meu Cristo vive nas parábolas que proferiu! O meu Cristo vive nos ensinos que deixou! O meu Cristo vive nos atos que realizou! O meu Cristo vive nas almas que salvou!

O meu Cristo vive, não tenho dúvidas, porque o meu Cristo vive em mim!

Autor da poesia: Jonathas Braga. 

5 comentários:

  1. Muito Bom, o nosso cristo vive eternamente, aleluia

    ResponderExcluir
  2. Verdade, concordo com você Paulo Bezerra, o nosso Cristo vive para sempre. Louvado seja Deus.
    Obrigado pela visita ao nosso Blog.
    Volte sempre.

    ResponderExcluir
  3. Obrigado, Geraldo. Há tempos eu buscava encontrar essa bela poesia que li, em 1986, num boletim da minha igreja metodista, na minha cidade. Mais pra frente penso em compartilhar e dar o devido crédito. Valeu.

    ResponderExcluir
  4. Amém. Que bom que você encontrou essa bela poesia. Agora é só desfrutar e compartilhar. Um abraço, no amor de Cristo.

    ResponderExcluir
  5. Conhecia esse poema como Autor Desconhecido, mas vejo aí como autor, Jonathas Braga

    ResponderExcluir