sexta-feira, 26 de janeiro de 2018

VAI E NÃO PEQUES MAIS.

Entretanto, Jesus seguiu para o monte das Oliveiras. Ao amanhecer, Ele voltou ao templo, e todo o povo achegava-se ao seu redor. Então, Ele se assentou e lhes ensinava. Os escribas e fariseus trouxeram até Ele uma mulher surpreendida em adultério. Forçaram-na a ficar em pé no meio de todos, e disseram a Ele: “Mestre, esta mulher foi apanhada em flagrante ato de adultério. Assim sendo, Moisés, na Lei, nos mandou que tais mulheres sejam apedrejadas. Todavia, tu, que dizes a este respeito? ” Eles falavam assim para prová-lo e terem alguma coisa de que o acusar. Mas Jesus, inclinando-se, escrevia na terra com o dedo, como se não tivesse ouvido. Porque insistiram na pergunta, Ele se levantou e lhes disse: “Aquele que dentre vós estiver sem pecado seja o primeiro a lhe atirar uma pedra. ” E, novamente, inclinou-se e escrevia na terra. Então, aqueles que ouviram isso, sendo convencidos por suas consciências, foram se retirando um por um, começando pelos mais velhos até o último. Jesus foi deixado só, e a mulher ficou em pé onde estava. Quando Jesus se ergueu, não vendo a ninguém mais, além da mulher, disse a ela: “Mulher, onde estão aqueles teus acusadores? Ninguém te condenou? ” Disse ela: “Ninguém, Senhor. ” E disse-lhe Jesus: “Nem Eu te condeno; podes ir e não peques mais. ” (João, 8.1-11).

E os escribas e fariseus trouxeram-lhe uma mulher apanhada em adultério; E, pondo-a no meio, disseram-lhe: Mestre, esta mulher foi apanhada, no próprio ato, adulterando (João, 8.3,4).
Assim, neste fato narrado no livro de João 8, vemos que somente a mulher adúltera é trazida ao mestre, para ser julgada. Desta forma, os fariseus começaram a sua hipócrita e machista tentativa de induzir Jesus ao erro. A lei exigia que o casal adúltero fosse apresentado. 

Onde estava o homem que com ela cometeu tal pecado? “Também o homem que adulterar com a mulher de outro, havendo adulterado com a mulher do seu próximo, certamente morrerá o adúltero e a adúltera. ” Levítico 20:10.

Jesus sabia que para aquela geração corrupta, a vida daquela mulher não tinha valor algum. Ninguém se importava com as condições que a levaram àquele pecado. O que seria daquela mulher, sabendo que a pena capital de morte seria aplicada, em caso de ser pega em flagrante adultério. E ali ela estava diante de Jesus, abandonada, envergonhada, desiludida, enganada e xingada por todos aqueles homens insensíveis, próxima da morte. 

Subjugada e subestimada pela sociedade, uma mulher acusada de adultério é trazida até Jesus pelos escribas e fariseus a fim de testa-lo e ver o que Ele tinha a dizer sobre isso. Esta mulher estava sendo ridicularizada e acusada de seus pecados obscuros e secretos ali expostos diante do público. Em meio a vergonha e zombarias, ela era humilhada entre os que estavam ao seu redor.
Corações cheios de vingança e ira exigiam que a lei de Moisés fosse cumprida, com a expectativa de que Jesus desse a permissão de apedrejar e expulsar a mulher daquela cidade. Ela mesma não tinha mais esperança. Mas Jesus, inclinando-se, escrevia com o dedo na terra, enquanto mais uma vez religiosos insistiam em fazer perguntas a Ele. Jesus então responde: Aquele dentre vós que está sem pecado, seja o primeiro que atire a pedra contra ela, então voltou a se inclinar e os ignorou novamente. 
Aos poucos todos saíram e nada fizeram. Você consegue imaginar como aquela mulher se sentiu? Ela com certeza teve uma mistura de sentimentos estranhos e provavelmente não estava acreditando naquilo.
Jesus pergunta se havia mais alguém para condená-la, ela ainda assustada, responde: “Ninguém, Senhor”. Então Jesus lhe diz: Nem eu também te condeno; vai-te e não peques mais. 

Concluímos que: A falta de amor e incompreensão das pessoas as leva a querer condenar, sem se quer avaliar a situação do acusado e dar-lhe uma chance de ser perdoado. Todos nós merecemos uma oportunidade, uma chance de nos arrependermos e deixarmos as nossas práticas pecaminosas. Essa também é a chave para uma vida de santidade e vitoriosa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário